Rastros de memórias das práticas disciplinares instituídas no Colégio Pedro II:

um olhar para o livro de ocorrência

  • Tatyana Marques de Macedo Cardoso Colégio Pedro II/UFF
  • Claudia Maria Costa Alves de Oliveira UFF
Palavras-chave: Colégio Pedro II., Colégio Pedro II. Práticas disciplinares. Livro de ocorrência., Práticas disciplinares., Livro de ocorrência.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo investigar as práticas disciplinares instituídas aos discentes do Colégio Pedro II, no período em que essa instituição modelar de ensino foi fundada (1837). Será utilizado, para essa pesquisa, o primeiro livro de ocorrência disciplinar, datado de 1858, finalizando em 1859. Pretendemos responder a seguinte questão: de que maneira a disciplina imposta no Colégio Pedro II estava de acordo com a normatização de condutas que deveriam ser seguidas como regras para a boa convivência no ambiente escolar? Assim, incutir formas civilizadas de conduta pessoal e moral faziam parte de uma cultura escolar e, por essa razão, buscamos compreender as práticas disciplinares utilizadas no Colégio Pedro II que visavam formar “o bom cidadão”. Tal pesquisa permitirá alargar os conhecimentos acerca do cotidiano escolar daquela instituição de ensino, além de contribuir para a memória institucional e para a pesquisa em história da educação. 

Biografia do Autor

Tatyana Marques de Macedo Cardoso, Colégio Pedro II/UFF
Bibliotecária do Núcleo de Documentação e Memória do Colégio Pedro II. Mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF).
Claudia Maria Costa Alves de Oliveira, UFF

Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense(1982), mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense(1990), doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo(2000) e pós-doutorado pela Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales(2011). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação. Atuando principalmente nos seguintes temas:exército, intelectuais, ensino, política, Império. 

Referências

ALVES, Rosana Llopis. José Veríssimo Dias de Mattos: um crítico na direção do Gymnasio Nacional: 1892-1898. 2006. 266 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.
BRASIL. Decreto de 2 de dezembro de 1837. Convertendo o Seminário de São Joaquim em colégio de instrução secundária, com a denominação de Colégio de Pedro II, e outras disposições. Coleção das leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro, v.1, parte 2, p. 59-61, 1837.
BRASIL. Lei geral de ensino, de 15 de outubro de 1827. Manda crear escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2016.
BRASIL. Regulamento n. 8, de 31 de janeiro de 1838. Coleção das leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1838. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2016.
CASTANHA, André Paulo. A prática dos castigos e prêmios na escola primária do século XIX: do legal ao real. Educere et Educare, Cascavél, v. 4, n. 8, p. 246-259, 2009.
CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Del signo negado al signo virtual: cambios y permanencias en la historia social de la cultura escrita. Revista de Historia de la Cultura Escrita, Espanha, n. 6, p. 113-143, 1999.
CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Historia de la cultura escrita: ideas para el debate. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 3, n. 1, p. 93-124, jan./jun. 2003. Dossiê “O Público e o Privado na Educação Brasileira”.
CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. 1989. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989.
COLÉGIO PEDRO II – NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA (NUDOM). Livros de ocorrências disciplinares, de 03 de fevereiro de 1858 até 11 de abril de 1859. Rio de Janeiro: CPII, 2016. Fonte manuscrita.

DALCIN, Talita Banck. Os castigos corporais como práticas punitivas e disciplinadoras nas escolas isoladas do Paraná (1857-1882). 2005. 137 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005
DALLABRIDA, Norberto. O grupo escolar Arquidiocesano São José e a (re)produção das classes populares em Florianópolis. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, 25., 2002, Caxambu, MG. Anais... Caxambu: ANPED, 2002.
DÓRIA, Escragnolle. Memória histórica do Colégio de Pedro II: 1837-1937. Brasília: INEP, 1997.
FIN, Maria Teresinha. Atingir o corpo e a alma: punições aos professores e alunos nas províncias de Mato Grosso e Minas Gerais nas Reformas de 1854. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 5., 2008, Aracaju. Anais... Aracaju: Universidade Federal de Sergipe, 2008.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 41. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.
GABAGLIA, Eugenio de Barros Raja. “Collegio Pedro II”: Annuario do Collegio Pedro II: 1º Anno. Rio de Janeiro: Typ. Revista dos Tribunaes, 1914.
HERNÁNDEZ DÍAZ, José Maria. Etnografía e historia material de la escuela. In: HERNÁNDEZ DÍAZ, José Maria. La memoria y el deseo cultura de la escuela y educación deseada. Valencia, Espanha: Tirant Lo Blanch, 2002.
JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 1, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001.
LEMOS, Daniel Cavalcanti de Albuquerque. Os cinco olhos do diabo: os castigos corporais nas escolas do século XIX. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 627-646, 2012.
MORO, N. O. O livro preto nas escolas da região dos Campos Gerais. In: JORNADA DO HISTEDBR, 1., 2003, Campinas. Anais... Campinas: Unicamp, 2003. Disponível em . Acesso em: 21 jan. 2016.
MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; CUNHA, Maria Teresa Santos; BASTOS, Maria H. Câmara. Refúgios do Eu: educação, história, escrita autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, 2000.
OSTETTO, Luciana Esmeralda; OLIVEIRA, Eloísa Raquel de; MESSINA, Virgínia da Silva. Deixando marcas: a prática do registro do cotidiano da educação infantil. Florianópolis: Cidade Futura, 2001.
PIÑAS, Raquel Quirino. Prêmio e castigo no Colégio Arquidiocesano de São Paulo (1908-1963). 2014. 151 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014.
RATTO, Ana Lúcia Silva. Cenários criminosos e pecaminosos nos livros de ocorrência de uma escola pública. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 20, p. 95-106, 2002.
SOUZA, Maria Cecília Cortez Christiano de. Escola e memória. Bragança Paulista: EDUSF, 2000.
VARELA, Julia; ALVAREZ-URIA, Fernando. La maquinaria escolar. In:_____. Arqueologia de la escuela. Barcelona: Las Ediciones de La Piqueta, 1991.
VASCONCELLOS, Bernardo Pereira de. Discurso de inauguração das aulas do Colégio Pedro II. Studia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 177-179, dez. 1950.
VEIGA, Cynthia Greive. Elaboração de hábitos civilizados na constituição das relações entre professores e alunos (1827-1927). Revista Brasileira de História da Educação, Brasília, n. 21, p. 61-92, 2009.
VIÑAO FRAGO, Antonio; ESCOLANO BENITO, Agustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.
VIÑAO FRAGO, Antonio. La escuela y la escolaridade como objetos históricos: facetas y problemas de la historia de la educación. História da Educação, Pelotas, v. 12, p. 9-54, 2008.
Publicado
2017-05-12
Como Citar
DE MACEDO CARDOSO, T.; OLIVEIRA, C. M. Rastros de memórias das práticas disciplinares instituídas no Colégio Pedro II:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 1, p. 29-46, 12 maio 2017.
Seção
Artigos