Onde estava a chave? Relatos tardios (e quase perdidos) de conversas cotidianas em uma escola na floresta

  • Rodrigo Barchi Universidade de Sorocaba
Palavras-chave: Escola Bosque do Amapá., Bailique., Cotidiano escolar., Conversas cotidianas., Educação ambiental.

Resumo

A Escola Bosque do Amapá, Módulo Regional do Bailique, foi inaugurada em 1998, com a intenção de promover um ensino que buscasse na floresta e nos saberes da população local, os conhecimentos que construíssem o currículo e as práticas pedagógicas da escola, de forma a fortalecer a autonomia da comunidade e desenvolver economicamente a região sem a necessidade de estabelecer uma relação predatória com o meio ambiente. Durante minha estadia na Escola Bosque no ano de 2001, estabeleci uma série de conversas cotidianas com seus professores e professoras, especialmente aqueles(as) que não eram originários do Bailique, e esse texto constrói uma série de narrativas ficcionais, mas baseadas em situações reais, a partir dessas conversas e relatos, dando destaque às suas impressões, esperanças, desilusões, saudades, alegrias, tristezas e posicionamentos políticos, sociais e culturais.

Referências

AMAPÁ. Centro de Amapaense de Atividades Culturais, Econômicas e Sociais - CAACES. Bailique: desenvolvimento sustentável no Delta do Amazonas. Macapá: Governo do Estado do Amapá: Unicef, 2000.
AMAPÁ. Governo do Estado. Bases para o desenvolvimento sustentável: coletânea de textos. Macapá: Centro de Formação e Desenvolvimento de Recursos Humanos - CEFORH, 1999.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Centro de referência de Ilha de Santana. Macapá: SEE, 1997a. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 1.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. O método sócio-ambiental. Macapá: SEE, 1997b. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 2.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Projeto de socialização. Macapá: SEE, 1997c. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 3.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Aspectos pedagógicos. Macapá: SEE, 1997d. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 4.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Módulo regional do Bailique. Macapá: SEE, 1997e. Série Projeto Escola Bosque do Amapá, n. 5.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Aspectos sócio-econômicos-ambientais da região do Bailique. Macapá: SEE, 1997f. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 6.
AMAPÁ. Governo do Estado. Secretária de Estado da Educação. Módulo regional do Bailique: memorial do projeto. Macapá: SEE, 1997g. Série projeto escola Bosque do Amapá, n. 7.
AVANCINI, Marta. Escola na floresta propõe o uso do meio ambiente para alfabetizar. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 jun. 1998. p. 6.
BENCINI, Roberta. A escola que nasceu da mata. Revista Nova Escola, São Paulo, v. 13, n. 116. p. 36-39, out. 1998.
CALDAS, Sérgio Túlio. O Brasil em estado bruto. Os Caminhos da Terra, São Paulo, n. 110, jun. 2001.
KLINKE, Angela. Estado Alternativo. Isto É, São Paulo, 24 jun. 1998.
LEONELLI, Domingos. Uma sustentável revolução na floresta. São Paulo: Viramundo, 2000.
MENEGON, Vera Mencoff. Porque jogar conversa fora? Pesquisando no cotidiano. In: SPINK, Mary Jane Paris (Org.). Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 1999.
MOULIN, Nilson (Org.). Amapá: um norte para o Brasil: diálogo com o governador João Alberto Capiberibe. São Paulo: Cortez, 2000.
MURPHY, Priscila. Amapá adota desenvolvimento sustentável. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 20 jun. 1998. p. A13.
RATIER, Rodrigo; SALLA, Fernanda; SEMIS, Laís. A escola Bosque do Amapá poderia ter mudado a educação: no abandono de um projeto-modelo, a síntese de um ensino que agoniza com a descontinuidade administrativa. Revista Nova Escola, São Paulo, v. 30, n. 281, p. 52-57, abr. 2015.
REIGOTA, Marcos. Ecologistas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1999.
REIGOTA, Marcos. Sou neto do Tomé. In: KUENZER, Acácia Zeneita et al. (Org.). Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. São Paulo: DP&A, 2000.
SPINK, Mary Jane Paris (Org.). Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 1999.
SPINK, Peter Kevin. O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 20, edição especial, p. 70-77, 2008.
Publicado
2017-11-16
Seção
Dossiê - Inquietudes e fronteiras cotidianas em educação