A produção científica no campo da educação não formal:

dissertações e teses no sistema de informação da BDTD

Palavras-chave: Educação não formal., Abordagens teórico-metodológicas., Pesquisa quali-quanti.

Resumo

O artigo centra-se nas abordagens teórico-metodológicas empregadas na pesquisa no campo conceitual e prático da educação não formal pelo uso específico dessa terminologia. O objetivo é refletir sobre a constituição e a configuração do campo conceitual da educação não formal no Brasil. A pesquisa é de abordagem quali-quanti e do tipo bibliográfico, e se realiza a partir de um levantamento das produções acadêmicas encontradas no Banco Digital de Teses e Dissertações sobre os referenciais teóricos e metodológicos utilizados nas pesquisas no campo da educação não formal. A baixa produtividade com o termo indicado pode dever-se ao fato de a área não estar consolidada nas faculdades, exceto por algum professor que publique e pesquise nessa área. E que as faculdades não se abriram totalmente para o campo da educação não formal, especialmente a área da educação, já que outras ocupam o campo com pesquisas e produções teóricas.

Biografia do Autor

Renata Sieiro Fernandes, Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL

Pedagoga, mestre e doutora em Educação, pela UNICAMP. Pós doutoranda pela Faculdade de Educação – UNICAMP e docente do Programa de Mestrado em Educação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL, campus Maria Auxiliadora, Americana-SP.

Débora Mazza, UNICAMP - Faculdade de Educação

Doutora em Sociologia pelo Laboratoire Genre, Travail e Mobilité/Paris . Pós doutorado em Sociologia pelo Centre de Recherche sur le Brésil Contemporaim/ Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales/Paris. Doutora em Ciências Sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Diretora Associada da FE/UNICAMP e docente do Departamento de Ciências Sociais na Educação . 

Referências

BRANDÃO, Carlos R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2007.
BRESSER-PEREIRA, L. C. A crise da economia e a reforma do Estado no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1996.
CANÁRIO, Rui. A aprendizagem ao longo da vida: análise crítica de um conceito e de uma política. In: CANÁRIO, Rui. (Org.). Formação e situações de trabalho. Porto, Portugal: Porto Editora, 2003. p. 189-205.
DAL-FARRA, Rossano A.; LOPES, Paulo T. C. Métodos mistos de pesquisa em Educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 24, n. 3, p. 67-80, set./dez. 2013.
FAURE, Edgard et al. Learning to be. The world of education today and tomorrow. Paris: UNESCO, 1972.
FERNANDES, Renata Sieiro; LIMA, Lívia Morais Garcia; MIRANDA, Antonio Carlos. Abordagens teórico-metodológicas em educação não formal e animação sociocultural. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, v. 22, n. 3, p. 497-513, out. 2017.
FERREIRA, Norma Sandra de A. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.
GADOTTI, Moacir; PADILHA, Paulo Roberto; CABEZUDO, Alícia. (Org.). Cidade educadora: princípios e propostas. São Paulo: Cortez /IPF, 2004.
GATTI, Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.
GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 2012.
HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.
HARVEY, David; ŽIŽEK, Slavoj; ALI, Tariq et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo, 2012.
MACHADO PAIS, José; BLASS, Leila M. da S. (Org.). Tribos urbanas: produção artística e identidades. São Paulo: Annablume, 2004.
MESQUITA, André. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva. São Paulo: Annablume, 2009.
MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.
PALHARES, José A. Reflexões sobre o não-escolar na escola e para além dela. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 2, n. 22, p. 53-84, 2009.
PARK, Margareth B.; FERNANDES, Renata S. (Org.). Educação não formal: contextos, percursos e sujeitos. Campinas/Holambra: UNICAMP/CMU/Setembro, 2005.
ROGERS, Allan. Non-formal education: flexible schooling or participatory education? New York: Springer-Verlag, 2005.
SIMSON, Olga R. de M. von; PARK, Margareth B.; FERNANDES, Renata S. (Org.). Educação não formal: cenários da criação. Campinas: UNICAMP /CMU, 2001.
UNESCO. Una mirada al interior de las escuelas primarias. Estudio comparativo realizado en el marco del proyecto de indicadores mundiales de Educación. Resumen ejecutivo. Montreal: Instituto de Estadística de la Unesco, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2017.
Publicado
2018-08-30
Como Citar
FERNANDES, R.; MAZZA, D. A produção científica no campo da educação não formal:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 2, p. 507-528, 30 ago. 2018.
Seção
Artigos