Recreio escolar de crianças do ensino fundamental

estudo de panorama de produções científicas brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n3p823-838

Palavras-chave:

Crianças, Recreio escolar, Brincar, Anos iniciais do ensino fundamental

Resumo

O recreio é um tempo e espaço importante da rotina escolar embora pouco valorizado do ponto de vista pedagógico e educativo. Nesse sentido, é fundamental reconhecer que as experiências vividas pelas crianças nesse ambiente são importantes para sua aprendizagem e desenvolvimento. O que as pesquisas recentes, cuja temática foi o recreio escolar aponta? Portanto, esse estudo teve como objetivo identificar, analisar e apresentar produções científicas brasileiras recentes de estudos sobre o recreio escolar no Ensino Fundamental (anos iniciais). Foi realizado um levantamento das produções brasileiras na base de dados SCIELO e nas reuniões nacionais da Anped. Os dados encontrados foram organizados qualitativamente e analisados à luz do referencial teórico. As produções científicas descritas apresentaram apontaram (de forma direta ou indireta) o recreio escolar como um espaço-tempo importante da vivência lúdica infantil, de forma direta ou indireta. Ressaltam também que o recreio enseja múltiplas aprendizagens à criança mais pouco valorizadas pela escola. A identificação e o exame dessas produções mostrou que há pouca produção científica brasileira recente sobre essa temática, sendo que estas produções evidenciaram, em forma de pesquisa, que ainda há pouca valorização do recreio como contexto educativo para as crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Sommerhalder, Universidade Federal de São Carlos/UFSCar

Professora Associada do quadro docente efetivo do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas, CECH- Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), campus de São Carlos/SP/Brasil, atuando nos cursos de Licenciatura em Pedagogia. Pós-doutorado na Itália, na Università Degli Studi Roma Tre (UniRomaTre - Dipartimento di Scienze della Formazione), com bolsa PrInt Capes - Programa Institucional de Internacionalização. Doutora em Educação Escolar pela Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista - UNESP- Campus de Araraquara/SP. Mestre em Ciências da Motricidade - área de Pedagogia da Motricidade Humana pela mesma Universidade. Pedagoga (Licenciada) pela Universidade Estadual Paulista - UNESP, Instituto de Biociências- Campus de Rio Claro/SP ; Pesquisadora da área de Educação Infantil e Pesquisas Educacionais com crianças de 0 a 10 anos.

Fernando Donizete Alves, Universidade Federal de São Carlos/UFSCar

Docente do Dep. de Educação Física e Motricidade Humana e do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE - Universidade Federal de São Carlos/UFSCar, campus de São Carlos/SP; Doutor em Educação Escolar. Coordenador do Centro de Pesquisa da Criança e de Formação de Educadores da Infância - Cfei/CNPq. 

Heliny de Carvalho Maximo, Universidade Federal de São Carlos/UFSCar

Pedagoga e Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE - Universidade Federal de São Carlos, campus de São Carlos/SP. Membro pesquisadora do Centro de Pesquisa da Criança e de Formação de Educadores da Infância (Cfei/CNPq). 

Referências

CORSARO, W. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FREIRE, P. Professora sim tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olha d’Água, 1993.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 10, número especial, p. 37-45, 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=179613967004. Acesso em: 15 mar. 2016.

LINCK, R. Hora do recreio! Processos de pertencimentos identitários juvenis nos tempos e espaços escolares. 2009. 145f. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

MASCIOLI, S. A. Z. Brincar: um direito da infância e uma responsabilidade da escola. In: ANGOTTI, M. (org.). 3. ed. Educação infantil: para que, para quem e por quê? Campinas: Alínea, 2010. p. 27-39.

MARTINATI, A. Z.; ROCHA, M. S. P. M. L. "Faz de conta que as crianças já cresceram": o processo de transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 19, n. 2, p. 309-320, ago. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572015000200309&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 2 nov. 2016.

MAZZOTI, A. J. A.; GEWANDZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1999.

NEUENFELD, D. J. Recreio escolar: o que acontece longe dos olhos dos professores? Revista da Educação Física UEM, Maringá, v. 14, n. 1, p. 37-45, 2003.

PEDROSA, M. I.; CARVALHO. A. M. A interação social e a construção da brincadeira. Cad. Pesq., São Paulo, n. 93, p. 60-65, maio 1995.

RODRIGUES, M. M. P. Memórias do lado divertido da escola primária portuguesa. Revista História da Educação, Santa Maria, v. 19, n. 47, p. 213-227, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-34592015000300213&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 3 nov. 2016.

SOMMERHALDER, A.; ALVES, F. D. Jogo e a educação da infância: muito prazer em aprender. Curitiba: CRV, 2011.

SOUZA, K. R. R. O recreio como lugar de pesquisa da cultura de pares infantis. In: REUNIÃO ANUAL NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia. Anais [...]. Goiânia, GO, 2013. Disponível em: http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt13_trabalhos_pdfs/gt13_2966_texto.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016.

TONUCCI, F. Quando as crianças dizem: agora chega! Porto Alegre: Artmed, 2005.

WENETZ, I. STIGGER, M. P. ; MEYER, D. E. As (des)construções de gênero e sexualidade no recreio escolar. Rev. bras. educ. fís. Esporte, São Paulo, v. 27, n. 1, p.117-128, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092013000100012&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 3 nov. 2016.

WENETZ, I. Gênero, corpo e sexualidade: negociações nas brincadeiras do pátio escolar. Cad. CEDES, Campinas, v. 32, n. 87, p. 199-210, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0101-32622012000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 4 nov. 2016.

ZANOTTO, L. et al. O brincar como prática social identificado em um grupo de crianças da zona rural. Revista Comunicações, Piracicaba, v. 23, n. 2, p. 245-260, maio/ago. 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

SOMMERHALDER, A.; ALVES, F. D.; MAXIMO, H. de C. Recreio escolar de crianças do ensino fundamental: estudo de panorama de produções científicas brasileiras. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 22, n. 3, p. 823–838, 2020. DOI: 10.22483/2177-5796.2020v22n3p823-838. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/3645. Acesso em: 16 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Demanda