Cidade, pedagogia e rap

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n2p431-453

Palavras-chave:

Pedagogia, Rap, Cidade.

Resumo

O rap é a banda sonora de muitas cidades, especialmente de certas zonas desfavorecidas nas cidades portuguesas. Os jovens usam a música para reverter a sua situação de marginalização, criticar a sociedade que os marginaliza, mas, também, como um veículo de mobilização comunitária. Assim, procuramos analisar as representações sobre a cidade evidenciadas em quatro canções rap portuguesas através das principais temáticas abordadas cruzadas simultaneamente com questões étnicas imanentes ao capital subcultural racializado. Esta análise é crucial para apreendermos a importância das criações artísticas contemporâneas de forma dialógica, como reflexo das complexidades societais e formas de representação e de intervenção sociais. Esta condição é outrossim uma demonstração das virtualidades do rap como instrumento pedagógico; mormente, como forma de promover o pensamento crítico e a intervenção política na linha de Freire (2005).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Guerra, Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Doutora em Sociologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP). É Professora no Departamento de Sociologia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e investigadora Integrada no Instituto de Sociologia da mesma universidade (IS-UP), onde atualmente coordena o subgrupo Criação artística, práticas e políticas culturais.

Referências

AUGÉ, Marc. Não-Lugares. Lisboa: Letra Livre, 2012.

BARBIO, Leda. Jovens (sub)urbanos: o impacto do hip hop na produção de identidades sociais. Forum Sociológico, Lisboa, n. 21, p. 75-83, 2011.

BAYAT, Asef. Life as politics. Stanford: Stanford University Press, 2013.

BECKER, Howard S. Outsiders. Nova Iorque: Simon & Schuster, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Lisboa: Relógio D’Água, 2013.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude A reprodução. Lisboa: Veja, 1978.

BRAGG, Sara. Consulting young people: a review of the literature. London: Arts Council England, 2007.

BYRNE, Lorcan; O’CONNELL, Cathal; O’SULLIVAN, Siobhan. Rap and political participation: using rap as a creative method in research with children and young people. YOUNG, Helsinki, Preprints: Artigo publicado pela primeira vez online: 1 ago. 2019. Edição publicada: v. 28, n. 1, p. 50-68, fev. 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1103308819856755. Acesso em: 4 out. 2019.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. Sintra: Impala, 2009.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milénio. Lisboa: Teorema, 1996.

CHULLAGE. National Ghettographik. In: RAPENSAR. Lisboa: Lisafonia, 2004. CD Álbum

CHULLAGE. Portugal. In: RAPENSAR. Lisboa: Lisafonia, 2004. CD Álbum

COHEN, Stanley. Folk devils and moral panics. London: MacGibbon and Kee, 1972.

DICKENS, Luke; LONIE, Douglas. Rap, rhythm and recognition: Lyrical practices and the politics of voice on a community music project for young people experiencing challenging circumstances. Emotion, Space and Society, New York, v. 9, p. 59-71, 2013.

FEIXA, Carles; GUERRA, Paula. Unidos por el mismo sueño en una canción: on music, gangs and bands. Portuguese Journal of Social Sciences, Lisboa, v. 16, n. 3, p. 305-322, 2017.

FRADIQUE, Teresa. Fixar o movimento. Lisboa: Dom Quixote, 2003.

FREIRE, Paulo. The pedagogy of the oppressed. Londres/Nova Iorque: Continuum, 2005.

FRITH, Simon. Performing rights. Oxford: Oxford University Press, 1996.

GENERAL D; BUTS MC. (feat). Allen Halloween - Bairro Black. In: HÍBRIDO. Lisboa: Sohiphop, 2015. CD Álbum

GENERAL D. Reghetização. In: PORTUKKKAL é um erro. Lisboa: Valentim de Carvalho, 1997. 1 CD.

GOFFMAN, Erving. Stigma. Londres: Penguin, 1990.

GUERRA, Paula. A cidade na encruzilhada do urbano: elementos para uma abordagem de um objecto complexo. Sociologia, Porto, v. 13, p. 69-119, 2003.

GUERRA, Paula. Raw Power: Punk, DIY and Underground Cultures as Spaces of Resistance in Contemporary Portugal. Cultural Sociology, London, v. 12, n. 2, p. 241–259, 2018.

GUERRA, Paula. ‘The Song Is Still a ‘Weapon’: The Portuguese Identity in Times of Crises. YOUNG, Helsinki, Preprints: Artigo publicado pela primeira vez online: 9 maio 2019. Edição publicada: v. 28, n. 1, p. 14–31, fev. 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1103308819829603. Acesso em: 4 out. 2019.

GUERRA, Paula. Verdade e consequência no hip-hop português contemporâneo: o caso de Capicua. In: GUERRA, Paula; SITOE, Tirso. (orgs.). Reinventar o discurso e o palco. Porto: FLUP, 2019. p. 202-219.

HALLIDAY, M. A. K. Anti-Languages. American anthropologist, Arlington, v. 78, n. 3, p. 570-584, 1976.

LEVIE, Mark. When art is the weapon: culture and resistance confronting violence in the post-uprisings Arab world. Religions, Suíça, v. 6, p. 1277-1313, 2015.

MALHEIROS, Jorge Macaísta et al. Espaços e expressões de conflito e tensão entre autóctones, minorias migrantes e não migrantes na área metropolitana de Lisboa. Lisboa: ACIME, 2007.

NONATO, Symaira Poliana et al. Por uma pedagogia das juventudes. In: DAYRELL, Juarez. (org.) Por uma pedagogia das juventudes. Belo Horizonte: Mazza, 2016. p. 249-304.

O'NEILL, Susan A. Youth empowerment and transformative music engagement. In: BENEDICT, Cathy; SCHMIDT, Patrick; SPRUCE, Gary; WOODFORD, Paul. (ed.) The child as musician: a handbook of musical development. New York: Oxford University Press, 2016. p. 606–625.

SAID, Edward. Orientalism. Londres: Penguin Books, 2003.

SÁNCHEZ GARCÍA, José; FEIXA PÀMPOLS, Carles. My name and the name of all people who live in misery: rap in the wake of revolution in Tunisia and Egypt. YOUNG, Helsinki, Preprints: Artigo publicado pela primeira vez online: 30 out. 2019. Edição publicada: v. 28, n. 1, p. 85-100, fev. 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1103308819868334. Acesso em: 4 out. 2019.

SANTOS, Tiago Teles; GUERRA, Paula. From punk ethics to the pedagogy of the bad kids: core values and social liberation. In: SMITH, Gareth Dylan; DINES, Michael; PARKINSON, Tom. (eds.). Punk Pedagogies, Londres, p. 210-224, 2017.

SIMÕES, Soraia. RAPublicar. A micro-história que fez história numa Lisboa adiada 1986-1996. Lisboa: Caleidoscópio, 2017.

SMITH, Gareth Dylan; DINES, Michael; PARKINSON, Tom. (eds.). Punk pedagogies. Londres: Routledge, 2017.

SOUZA, Angela Maria de. A caminhada é longa... e o chão tá liso: o movimento Hip Hop em Florianópolis e Lisboa. São Leopoldo: Trajetos Editorial, 2016.

THORNTON, Sarah. Club cultures. Middletown: Wesleyan University Press, 1996.

VALETE. Nada a perder. In: EDUCAÇÃO visual. Lisboa: Estúdios BigBit, 2002. CD Álbum

WACQUANT, Loïc. Deadly symbiosis. Cambridge: Polity Press, 2009.

WACQUANT, Loïc. Marginalidade, etnicidade e penalidade na cidade neoliberal: uma cartografia analítica. Tempo Social, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 139-164, 2014.

WILLIS, Paul. Common cultures. Boulder: Westview Press, 1990.

Publicado

2020-08-14

Como Citar

GUERRA, P. Cidade, pedagogia e rap. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 2, p. 431-453, 14 ago. 2020.

Edição

Seção

Dossiê - Arte-fatos: tensões e(m) possibilidades entre cultura, pesquisa e educa

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##