As escolas multisseriadas do município de Iguape 1980-2008

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n3p853-872

Palavras-chave:

Escolas multisseriadas, Escola rural, Educação, Iguape (SP)

Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo abordar o funcionamento das escolas multisseriadas em atividade no município de Iguape. Visa compreender as diferenças dessa forma com as escolas urbanas e reconhecer a importância destas instituições para a comunidade rural. Apesar de focar um local específico, é possível compreender através do estudo a diferença que há entre a educação rural e urbana, diante de um contexto histórico que abrange os setores político, econômico, social e cultural. Essa modalidade escolar, que foi criada no século XIX, continua em funcionamento na atualidade, apresentando em sua estrutura semelhanças significativas com a forma em que funcionava nos séculos anteriores. Nesse ambiente, os alunos de diferentes séries podem permanecer, de forma concomitante, com o mesmo docente. O procedimento metodológico norteou-se pelo levantamento e estudo da bibliografia sobre a história de Iguape, assim como de trabalhos científicos sobre instituições rurais e unidocentes no Brasil, entrevistas e análise da legislação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Corrêa Strieder, Universidade de Sorocaba

Possui graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Santana, pós-graduação em Didática do Ensino Superior e Psicopedagogia; mestrado em Educação pela Universidade de Sorocaba.

Vania Regina Boschetti, Universidade de Sorocaba

Possui Graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Sorocaba, Graduação em Estudos Sociais pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Tatuí, Graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Sorocaba, Mestrado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e Doutorado em Ciências, área de Geografia Humana, pela Universidade de São Paulo. É professora titular de História da Educação e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Sorocaba.

Referências

ANAFELOS, A. C.; MODOLO, V. A.; TUCCI, M. L. S. Expansão do cultivo da pupunheira no Vale do Ribeira, estado de São Paulo, 2002-2006. Informações Econômicas, São Paulo, v.37, n.10, p.37-43, out. 2007.

BASTOS, J. J. C. Interpretação e analogia em face da lei penal brasileira: visão teórico-dogmática e crítico-metodológica. Publicado em julho de 2007. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/10130/interpretacao-e-analogia-em-face-da-lei-penal-brasileira. Acesso em: 8 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 5.822 de 16 de ago. 1960. Dispõe sobre a criação e instalação de escolas de emergência, e dá outras providências. Brasília: Secretaria de Estado dos Negócios do Governo, 1960. Disponível: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1960/lei-5822-16.08.1960.html. Acesso: 9 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 jul. 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Cap. IV, Art.53. Brasília: Secretaria de Estado dos Negócios do Governo, 1990.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L8069.htm. Acesso em: 9 jan. 2019.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasilia: Casa Civil, 1996. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso: 9 jan. 2019.

CONFERÊNCIA NACIONAL POR UMA EDUCAÇÃO NO CAMPO, 2., 2004, Luiziânia, GO. Declaração final (Versão Plenária): por uma política pública de educação do campo. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4537.pdf. Acesso: 25 jan. 2019.

FAGUNDES, J.; MARTINI, A.C. Políticas educacionais, da escola multisseriada à escola nucleada: o impacto cultural e educacional da extinção das escolas multisseriadas. Olhar do Professor, Ponta Grossa, n. 6, n. 1, p. 99-118, 2003. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/684/68460108.pdf. Acesso em: 9 abr. 2019.

FORTES, R. Iguape, nossa história. São Paulo: Soset, 2000. v.1.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Funai conclui processos de demarcação das Terras Indígenas Cobra Grande (PA) e Guaviraty (SP). Brasília: FUNAI, 20 de dezembro de 2008. Disponível: http://www.funai.gov.br/index.php/comunicacao/noticias/5161-funai-conclui-processos-de-homologacao-das-terras-indigenas-cobra-grande-pa-e-guaviraty-sp . Acesso: 9 jan. 2019.

IGUAPE. Lei nº 1.685/03. Iguape: Prefeitura Municipal; Portal público, 7 de maio de 2003. Disponível em: https://iguape.sp.leg.br/leis/legislacao-municipal-1/2003/2003/l-1-685.pdf. Acesso em: 22 nov. 2008.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades e estados - Iguape. Brasília: IBGE, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sp/iguape.html. Acesso 22 jan. 2019.

IVERSSON, L. B. et al. (org.). Estudos sorológicos para pesquisa de anticorpos de arbovírus em população humana da região do Vale do Ribeira IV- Inquérito em escolares residentes no município de Iguape, SP (Brasil). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 17, n. 6, p. 423-435, dez. 1983. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003489101983000600001&script=sci_arttext. Acesso em: 10 ago. 2018.

LEFEBVRE, H. Industrialização e urbanização: noções preliminares. In: LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Documentos, 1969. p.11-33.

PEREIRA JUNIOR, C. A. (org.). Iguape: princesa do litoral, terra do Bom Jesus, bonita por natureza! São Paulo: Noovha América, 2005.

QEDU. Lista completa de escolas, cidades e estados. São Paulo: Fundação Lemann, 2017. Disponível em: https://qedu.org.br/busca/125-sao-paulo/1464-iguape. Acesso: 2 nov. 2019.

QUILOMBOS DO RIBEIRA. Comunidades quilombolas do Vale do Ribeira. 2011. Disponível em: https://www.quilombosdoribeira.org.br/vale-do-ribeira. Acesso: 30 jul. 2019.

ROCHA, V. L. da; FORESTI, C. O uso do solo urbano e os problemas ambientais da cidade de Iguape-SP. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO. 9., 1998, Santos. Santos, SP. Anais [...]. Santos: INPE, 1998. P. 907-910. Disponível em: http://marte.dpi.inpe.br/col/sid.inpe.br/deise/1999/02.10.15.48/doc/13_89p.pdf. Acesso em: 12 abr. 2019.

ROLNIK, R. O que é a cidade. São Paulo: Brasiliense, 1988.

YOUNG, E. G. A história de Iguape. Revista do Instituto Histórico e Geographico de São Paulo, São Paulo, v. 8, p. 222-375, 1903.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

STRIEDER, C. C. .; BOSCHETTI, V. R. As escolas multisseriadas do município de Iguape 1980-2008. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 22, n. 3, p. 853–872, 2020. DOI: 10.22483/2177-5796.2020v22n3p853-872. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/3858. Acesso em: 16 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Demanda