Pensamento educacional e intelectuais na história da educação brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n1p145-166

Palavras-chave:

Historiografia, Intelectuais, Pensamento educacional.

Resumo

O artigo apresenta uma proposta de pesquisa historiográfica sobre os temas “pensamento educacional” e “intelectuais” na produção divulgada nos Congressos Brasileiros de História da Educação (2000-2017). Alternativamente ao “balanço”, que enfatiza acúmulos e correntes principais, propõe a elaboração de um “inventário”, a fim de identificar e explicar os variantes e diversos modos de apropriação de referências e uso de conceitos. Metodologicamente, compreende-se que a natureza dessas apropriações e usos está referida a fatores múltiplos, tais como a formação inicial dos pesquisadores, a composição e orientação dos programas, linhas e grupos de pesquisa, os convênios nacionais e internacionais etc. A fim de sustentar o argumento, o artigo percorre a formação do campo, procede à crítica dos balanços e investiga os significados do conceito de intelectual e seus usos nas ciências humanas. Conclui, partindo de uma articulação reflexiva sobre esses tópicos, com hipóteses de investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Bontempi Junior, Universidade de São Paulo

Mestre e doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-doutorado no Programa de História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente, é Chefe do Departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação (EDF) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo; orientador pleno e credenciado no Programa de Pós-Graduação em Educação da USP. Tem experiência nas áreas de Educação e História, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos temas: historiografia da educação, história dos intelectuais, história das universidades, história das elites. Líder do Grupo de Pesquisa Intelectuais da educação brasileira: formação, ideias e ações (CNPq).

Referências

ALVES, C. M. C. Os resumos das comunicações e as possibilidades esboçadas no II Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação. In: SOUSA, C. P.; CATANI, D. B. (orgs.). Práticas educativas, culturas escolares, profissão docente. São Paulo: Escrituras, 1998. p.1 95-202.

ARAÚJO, M. M. A produção em história da educação das Regiões Nordeste e Norte. O estado do conhecimento (1982-2003). In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP & A, 2005. p. 289- 312.

ASCOLANI, A. Los balances de la historia de la educación en Brasil: optimismo e incertidumbre de una producción expansiva. Comentarios en perspectiva comparada con Argentina y México. In: NEPOMUCENO, M. A.; TIBALLI, E. F. A. (org.). A educação e seus sujeitos na história. Belo Horizonte: Argumentum, 2007. p.121-148.

BASTOS, M. H.; BENCOSTA, M. L. A.; CUNHA, M. T. S. A pesquisa em história da educação nos programas de pós-graduação em educação da Região Sul. In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP & A, 2005. p. 243-287.

BASTOS, E.; RÊGO, W. (orgs.). Intelectuais e política. A moralidade do compromisso. São Paulo: Olho d’água, 1999.

BONTEMPI JUNIOR, B. História da educação e história política. In: LINHALES, M. A.; FONSECA, T. N. L. Diálogos da história da educação. Ponta Grossa: Estúdio Texto, 2017. p. 39-56.

BONTEMPI JUNIOR, B. Laerte Ramos de Carvalho e a constituição da História e Filosofia da Educação como disciplina acadêmica. Uberlândia: Edufu, 2015.

BONTEMPI JUNIOR, B. História da educação brasileira: o terreno do consenso. 1995. 117p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1995.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BURKE, P. Uma história social do conhecimento. De Gutemberg a Diderot. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CATANI, D. B.; FARIA FILHO, L. M. Um lugar de produção e a produção de um lugar: história e historiografia da educação brasileira nos anos de 1980 e de 1990. In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP & A, 2005. p. 85-110.

GONDRA, J. G. Historiografia da educação, seus balanços e saberes. A ultrapassagem como problema. In: NEPOMUCENO, M. A.; TIBALLI, E. F. A. (orgs.). A educação e seus sujeitos na história. Belo Horizonte: Argumentum, 2007. p. 163-179.

LE GOFF, J. Os intelectuais na Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

LECLERC, G. Sociologia dos intelectuais. São Leopoldo: UNISINOS, 2004.

LOPES, E.; GALVÃO, A. História da educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LÖWY, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. Marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

NAGLE, J. História da educação brasileira: problemas atuais. Em Aberto, Brasília, n. 32, p. 27-29, out. 1984.

NUNES, C.; CARVALHO, M. M. C. Historiografia da educação e fontes. In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 17-62.

SAHLINS, M. História e cultura: apologias a Tucídides. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SAVIANI, D. Apresentação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 1., 2000, Rio de Janeiro, RJ. Resumos [...]. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira da História da Educação/Faperj/Prefeitura do Rio/CNPq/Fapesp, 2000. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe1/apresentacao.htm. Acesso em: 22 ago. 2017.

SAVIANI, D. Os balanços na historiografia da educação brasileira: sentidos e perspectivas. In: NEPOMUCENO, M. A.; TIBALLI, E. F. A. (orgs.). A educação e seus sujeitos na história. Belo Horizonte: Argumentum, 2007. p. 149-161.

SAVIANI, D. O debate teórico e metodológico no campo da história e sua importância para a pesquisa educacional. In: SAVIANI, D.; LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. História e história da educação: o debate teórico- metodológico atual. Campinas: Autores Associados, HISTEDBR, 1998. p. 7-15.

SAVIANI, D. et al. Sociedade Brasileira de História da Educação: constituição, organização e realizações. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 11, n. 3, p. 13-45, set./dez. 2011.

SIRINELLI, J-F. Os intelectuais. In: RÉMOND, R. (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: UFRJ/ FGV, 1996.

VIEIRA, C. E.; GONDRA, J. G. Mapas da produção em história da educação. In: GONDRA, J. G. (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 7-16.

VIEIRA, C. E. et al. Historiografia da educação no Brasil: contribuições da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE). In: GONDRA, J. G.; MACHADO, M. C. G.; SIMÕES, R. H. S. (orgs.). História da educação, matrizes interpretativas e internacionalização. Vitória: Edufes, 2017. p. 11-20.

VIEIRA, C. E. História intelectual e história dos intelectuais: diálogos acerca da escrita da história da educação. In: VIEIRA, C. E.; STRANG, B. L. S.; OSINSKI, D. R. B. (orgs.). História intelectual e educação: trajetórias, impressos e eventos. Jundiaí: Paco Editorial, 2015. p. 11-26.

VIDAL, D. G.; FARIA FILHO, L. M. As lentes da história. Estudos de história e historiografia da educação no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2005.

VEYNE, P. Os conceitos em História. In: SILVA, M. B. N. (org.) Teoria da história. São Paulo: Cultrix, [s/d.], p. 120-134.

WARDE, M. J. Anotações para uma historiografia da educação. Em Aberto, Brasília, n. 32, p. 1-6, out. 1984.

WEBER, M. A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, G. (org.). Weber. 7. ed. São Paulo: Ática, 2000. p. 79-127.

XAVIER, L. Particularidades de um campo disciplinar em consolidação: balanço do I Congresso Brasileiro de História da Educação (RJ/2000). In: SBHE (Org.). Educação no Brasil. Campinas: SBHE, Autores Associados, 2001.

Publicado

2020-04-15

Como Citar

BONTEMPI JUNIOR, B. Pensamento educacional e intelectuais na história da educação brasileira. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 1, p. 145-166, 15 abr. 2020.

Edição

Seção

Dossiê - História, historiografia: políticas e práticas