"Gosta de flor?”

o agir e o sentir a partir de uma oficina sobre corpo, gênero e sexualidade com professoras/es em tempos de cruzada moral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n2p413-430

Palavras-chave:

Corpo, Saúde, Pânico moral.

Resumo

Esse artigo analisa a experiência da oficina “Corpo, Gênero e Sexualidade na Educação”, realizada pela Liga Acadêmica Multidisciplinar de Saúde do Adolescente (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), com professores/as de escolas públicas, a convite da Prefeitura Municipal de Campo Grande. Abordou-se essa temática em uma perspectiva comprometida com a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos. Em tempos de cruzada moral, devido um movimento transnacional anti-gênero, a atividade permite-nos refletir a respeito da utilização de técnicas em grupo, como a de clown, para trabalhar com temas que têm sido vistos como “ameaça a infância e a família”. Proporciona também uma reflexão teórico-metodológica sobre o agir e sentir em tempos de pânicos morais e ameaças de criminalização do trabalho docente sobre gênero e sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Duque, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP e mestre em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Professor do Bacharelado em Ciências Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Campus de Campo Grande), do Mestrado em Educação (Campus do Pantanal - Corumbá) e do Mestrado em Antropologia Social da Faculdade de Ciências Humanas (FACH). 

Soraya Solon , Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMT

Mestre em Saúde e Ambiente pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (UnB). Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul , Brasil.

Referências

BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-365, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais - terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção básica em saúde (nº 24): saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde e prevenção nas escolas: guia para formação de profissionais de saúde e educação. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Adolescentes e jovens para a educação entre pares. Brasília: Saúde e Prevenção nas Escolas, Adolescências, Juventudes e Participação, 2010.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola (PSE) e dá outras providências. Brasília, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMPO GRANDE. Câmara Municipal de Campo Grande – MS. Projeto de Lei Nº 8.242/16, 28 de março de 2016. Campo Grande: Câmara Municipal de Campo Grande, 2016.

CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Educação. Superintendência de Políticas Educacionais, Relatório corpo, gênero, sexualidade e educação. Campo Grande: Secretaria Municipal de Educação, 2018.

CASEMIRO, Juliana P.; FONSECA, Alexandre B. C. de; SECCO, Fábio V. M. Promover saúde na escola: reflexões a partir de uma revisão sobre saúde escolar na América Latina. Ciências Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 829-840, 2014.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL - CNBB. Nota. Inclusão da ideologia de gênero nos Planos de Educação. Brasília: CNBB, 18 de junho de 2015.

CUNHA, Léia Conche. Ampliando percepções sobre o uso e acesso ao preservativo masculino por adolescentes e jovens: influências do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas, Campo Grande, MS. p. 135. 2015. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) - Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, 2015.

DESLANDES, Keila. Formação de professores e direitos humanos: construindo escolas promotoras da igualdade. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

GOODE, Erich; BEM-YEHUDA, Nachman. Moral panics: the social construction of

deviance. New Jersey: Wiley, 1994.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “‘Ideologia de gênero’: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma ‘ameaça à família natural’?”. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes (orgs.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande: FURG, 2017. p. 25-52.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário políticodiscursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Psicologia Política, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 449-502, 2018.

LANCASTER, Roger N. Sex panic and the punitive state. Berkeley, Los Angeles: University of California Press, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MACHADO, Maria de Fátima Antero Sousa et al. Programa saúde na escola: estratégia promotora de saúde na atenção básica no Brasil. J. Hum. Growth Dev., São Paulo, v. 25, n. 3, p. 307-312, 2015.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Mrlucy Alves. (orgs). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 17-24.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 101-128, 2007.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de Gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 35. n. 3, p. 725-747, 2017.

MONTEIRO, Marko S. Alves. Os dilemas do humano: reinventando o corpo em uma era (bio)tecnológica. São Paulo: Annablume, 2012.

PEREIRA, Marcelo de Andrade Pereira. Performance e educação: configurações parateatrais da docência. Educação, Santa Maria, v. 39, n. 3, p. 505-514, 2014.

POCCETTI, Ricardo. Caiu na rede é riso. ILINX - Revista do LUME, Campinas, n. 2, p. 90-97, 1999.

SIMIONI, Carlos Roberto. A arte de ator. ILINX - Revista do LUME, Campinas, v. 1, n.1, p. 55-60, 2012.

SIMON, Eduardo et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e educação popular: encontros e desencontros no contexto da formação dos profissionais de saúde. Interface: comunicação, saúde e educação, Botucatu, v. 18, n. 2, p. 1355-1364, 2014.

VANDRÉ, Geraldo. Réquiem Para Matraga. 5 anos de Canção. Som Maior, 1 LP. Lado A, Faixa 4, 1966.

Publicado

2020-08-14

Como Citar

DUQUE, T.; SOLON , S. . "Gosta de flor?”: o agir e o sentir a partir de uma oficina sobre corpo, gênero e sexualidade com professoras/es em tempos de cruzada moral. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 2, p. 413-430, 14 ago. 2020.

Edição

Seção

Dossiê - Arte-fatos: tensões e(m) possibilidades entre cultura, pesquisa e educa

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##