Devir criançando na invenção de outras metodologias (s)em pesquisas em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n2p473-492

Palavras-chave:

Infância, Metodologia de pesquisa, Imagem.

Resumo

Pretendemos, com esse texto, abrirmo-nos à invasão de um movimento maquínico: criançar devindo. Devir, em uma vontade de fissurar as lógicas estruturantes tanto das pesquisas e(m) educação quanto no que se refere às escolhas epistemológicas e metodológicas. Imagens e(m) infâncias como gestos de resistência à captura e formatação do pensamento, efemeridade intensiva ao Aion a nos proporcionar o movimento ‘gerúndio’ de rizoma na/através das pesquisas (s)em educação. Quais (des)afetos ao texto, às ideias, ao tempo aiônico, às imagens fotográficas um devir-criança pode fissurar nos movimentos performáticos sensíveis e(m) educação? Propomos, então, algumas provocações, novos trajetos metodológicos, invenções que não apenas deem espaço para os diferentes agenciamentos, mas que os reconheçam como elementos para (des)construções do conhecimento assim como de suas expressões. Possibilidades de um criançar, em que potentes invenções experimentais optam pelos entre meios de tempos a estimularem a inventividade criativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenise Cristina Pires Andrade, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas, Professora Titular A da Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil.

Vívian Carla Reis Nery, Secretaria Municipal de Educação de Feira de Santana

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia; Especialização em Metodologia do Ensino Superior; Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Atualmente é professora - Secretaria Municipal de Educação de Feira de Santana (desde 2008). Participa, na UEFS, do grupo de pesquisa TRACE (Departamento de Educação). 

Joana Frank Imbassay, Universidade Estadual de Feira de Santana

Mestre em Educação com pesquisa relacionada à Educação Infantil Gênero e Imagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana.

Referências

DELEUZE, Gilles; GUATARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2005. v. 4.

DELEUZE, Gilles; GUATARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2011. v. 1.

DELEUZE, Gilles; GUATARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012. v. 4.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DIGA não ao feminicídio. Istoé, São Paulo, 20 jun. 2019. Disponível em: https://istoe.com.br/diga-nao-ao-feminicidio/. Acesso em: 3 nov. 2019.

FREIRE, Paulo; HORTON, Myles. O caminho se faz caminhando. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24. ed. São Paulo; Edições Loyola, 2014.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Helena; SOUZA, Geni. Princesas, bruxas e uma sardinha na brasa: contos de fadas para pensar sobre o papel da mulher. São Paulo: Biruta, 2017.

HAESBART, Rogério; BRUCE, Glauco. A desterritorialização na obra de Deleuze e Guattari. Geographia, Niterói, v. 4, n. 7, p. 7-22, 2002.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss Digital. 2019. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v3-3/html/index.php#2. Acesso em: 11 nov. 2019.

HERNANDEZ, Fernando. Pesquisar com imagens, pesquisar sobre imagens: revelar aquilo que permanece invisível nas pedagogias da cultura visual. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. (orgs.). Processos e prática de pesquisa em cultura visual e educação. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013. p. 77-95.

KASTRUP, Virgínia. O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-intervenção. In: CASTRO, Lúcia Rabello de; BESSET, Vera Lopes. (orgs.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ, 2008. p. 465-489.

KOHAN, Walter Omar. A cidade da formação. In: GALLO, Sílvio; VEIGA-NETO, Alfredo. (orgs.). Fundamentalismo e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. p. 131-144.

KOHAN, Walter Omar. Paulo Freire: outras infâncias para a infância. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, p. 1-33, 2018.

LEITE, Amanda M. P. Qual é o lugar da ficção na educação? Leitura: Teoria e Prática, Campinas, v. 35, n. 69, p. 25-35, 2017.

LEITE, César Donizetti Pereira. Pesquisa, arte e educação em modos de encontro: ensaios sobre um “devir arte/ educação para a pesquisa”. In: SCARELI. Giovana. (org.). Educação, culturas, políticas e práticas educacionais e suas relações com a pesquisa. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 149-164.

LEITE, César Donizetti Pereira; LEITE, Adriana Regina Isler Pereira. Imagens como epígrafe: imagens lúdicas de experiência infantil. RevistAleph, Niterói, v. 11, n. 22, p. 81-69, dez. 2014.

LEITE, César; CHISTÉ, Bianca. Imagens de crianças: travessias do universo infantil. Educação, Porto Alegre, v. 38, n. 2, p. 272-279. maio/ago. 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/17764/13665. Acesso em: 18 jun. 2019.

NERY, Vívian Carla Reis. Espetáculos per(formáticos) abalam as fronteiras da cidade sub(versiva). 2018. 113 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) - Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2018.

PARAÍSO, M. A. Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

PEREIRA, Marcos Villela. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2016.

PHELPS, Ethel Johnston (org.). Chapeuzinho esfarrapado e outros contos feministas do folclore mundial. São Paulo: Seguinte, 2016.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ROMAGUERA, Alda R. T.; ANDRADE, Elenise C. P. (Proble)matiz-ar pesquisas e(m) educações: fissuras metodológicas (em via)gem. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 39., 2019, Niterói. Anais [...]. Niterói, RJ: ANPEd , 2019. Disponível em: http://39.reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/sites/3/trabalhos/4820-TEXTO_PROPOSTA_COMPLETO.pdf. Acesso em: 11. nov. 2019.

Publicado

2020-08-14

Como Citar

ANDRADE, E. C. P.; NERY, V. C. R.; IMBASSAY, J. F. Devir criançando na invenção de outras metodologias (s)em pesquisas em educação. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 2, p. 473-492, 14 ago. 2020.

Edição

Seção

Dossiê - Arte-fatos: tensões e(m) possibilidades entre cultura, pesquisa e educa

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##