O SPAECE e o trabalho pedagógico das escolas Cearenses:

o que revelam os coordenadores pedagógicos?

Palavras-chave: SPAECE., Avaliações externas., Organização pedagógica., Coordenadores pedagógicos.

Resumo

Este artigo analisa as interferências do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (SPAECE) nas formas de organização do processo pedagógico das escolas cearenses na perspectiva dos coordenadores pedagógicos. Utilizou-se o método qualitativo de investigação, com fundamento em entrevistas semiestruturadas com coordenadoras pedagógicas do município de Cruz (CE). Os resultados apontam o SPAECE como sendo um mecanismo de controle que visa maior eficiência no sistema educacional cearense. O SPAECE também pode ser identificado como uma estratégia de indução de qualidade e como meio de prestação de contas e de responsabilização, imbricado a um processo de incentivo e premiação e, por consequência, com evidentes interferências na organização pedagógica das escolas. Conclui-se que o SPAECE, no âmbito do sistema educacional cearense e com lugar de destaque na educação do estado, é utilizado como mecanismo que permite acompanhar, mensurar e controlar a qualidade da educação e, consequentemente, tem influenciado significativamente a gestão pedagógica das escolas.

Biografia do Autor

Luís Távora Furtado Ribeiro, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará (1983); mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (1990) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2002). Concluiu Estágio Pós-doutoral na École de Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) sob a supervisão de Michel Löwy com bolsa CNPq. É professor associado da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará, atuando na graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado em Educação) nas linhas: Educação, Currículo e Ensino e História e Memória da Educação. Foi diretor eleito da Faculdade de Educação da UFC por 2 mandatos entre 2003-2011. Professor colaborador do mestrado intercampi Feclesc/Fafidam em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Coordena o Projeto de Pesquisa Intitulado ASPECTOS HISTÓRICOS E ATUAIS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE FORMAÇÃO DOCENTE NO BRASIL. Foi professor da educação básica por 10 anos. Tem cursos na área de educação no Instituto Aharon Ofri em Israel e no CPEIP no Chile. Atua nas áreas formação de professores; política educacional e financiamento da educação; movimentos sociais e escola; ensino de história e geografia; história da educação; sociologia e filosofia da educação; educação e religião; diretrizes curriculares; metodologias de ensino e ética. . Foi presidente do Fórum de Diretores de Centros e Faculdades de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR). É membro da Anfope (Associação Nacional para Formação de Profissionais em Educação) e colabora com o Instituto Anísio Teixeira (INEP/MEC) na qualidade de Avaliador do Basis para reavaliação e supervisão especial dos cursos de Pedagogia e Ciências Sociais em todo o Brasil. Membro do COMITÉ DE PARRAINAGE DU SÉMINAIRE ?MARX AU XXIe SIÈCLE? do .Le Centre d?Histoire des Systèmes de Pensée Moderne (CHSPM) Paris 1, PANTHÉON Sorbonne. Professor-pesquisador do CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO ENTRE A L?UNIVERSITÉ PARIS 1 PANTHÉON-SORBONNE (LABORATOIRE PHARE - PHILOSOPHIE, HISTOIRE ET ANALYSE DES REPRE¬SEN¬TATIONS ÉCONOMIQUES), A LINHA DE PESQUISA MARXISMO, EDUCAÇÃO E LUTA DE CLASSES (E-LUTA) DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (UFC) E O MESTRADO ACADÊMICO INTERCAMPI EM EDUCAÇÃO E ENSINO (MAIE), DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ.. Professor-pesquisador do Convênio de Colaboração entre o Programa de Mestrado em Antropologia de Iberoamérica da Universidade de Salamanca (MAI) e Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes (E-Luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Avaliação educacional: regulação e emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2000.
ARROYO, Miguel G. O direito a tempos-espaços e um justo e digno viver. In: MOLL, Jaqueline (Org.). Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 33-41.
BRANDÃO, Carlos. O outro ao meu lado: algumas ideias de tempos remotos e atuais para pensar a partilha do saber e a educação de hoje. In: MOLL, Jaqueline (Org.). Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 53-69.
BRASIL. Ministério da Educação. Fundação CAPES. Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – PARFOR. Brasília. Disponível em: < http://www.capes.gov.br/educacao-basica/parfor>. Acesso em: 2 mar. 2016.
BRASIL. Ministério da Educação. Saiba Mais - Programa Mais Educação. Brasília. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/mais-educacao/saiba-mais/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/16689-saiba-mais-programa-mais-educacao>. Acesso em: 24 mar. 2017.
CHARLOT, Bernard. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2016.
CHIZZOTTI. A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, Portugal, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.
ESTEBAN, Maria Tereza. Escola, currículo e avaliação. São Paulo: Cortez, 2003.
FRANCO, Maria Amélia Santoro. Entre a lógica da formação e a lógica das práticas: a mediação dos saberes pedagógicos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 109-126, jan./abr. 2008. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.
FRANCO, Maria Amélia Santoro. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Rev. bras. Estud. Pedagog, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016. Disponível em:. Acesso em: 08 fev. 2017.
FRANCO, Maria Amélia Santoro; GILBERTO, Irene Jeanete Lemos. O observatório da prática docente como espaço de compreensão e transformação das práticas. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 6, n. 9 p. 125-145 jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.
FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2016.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Conheça cidades e estados do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2017.
LIMA, Alessio Costa. O sistema permanente de avaliação da educação básica do Ceará (SPAECE) como expressão da política pública de avaliação educacional do estado. 2007. 248f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade) - Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2007.
MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.
RAVITCH, D. Nota mais alta não é educação melhor. Estado de S. Paulo, São Paulo, 2 ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.
SPAECE. Portal do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará. O SPAECE. Ceará: SEDUC. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2016a.
SPAECE. Portal do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará. Matriz Curricular. Ceará: SEDUC. Disponível em: < http://www.spaece.caedufjf.net/matrizes/matriz-de-referencia/>. Acesso em: 18 dez. 2016b.
SPAECE. Portal do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará. O SPAECE. Ceará: SEDUC. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2016c.
Publicado
2018-04-24
Como Citar
ARAÚJO, O.; RIBEIRO, L. O SPAECE e o trabalho pedagógico das escolas Cearenses:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 1, p. 211-226, 24 abr. 2018.
Seção
Artigos