Aulas régias:

luz que emana do trono

Palavras-chave: Aulas régias., Reforma pombalina., Iluminismo.

Resumo

O presente artigo tem como horizonte reflexões sobre a reforma do ensino que aconteceu no século XVIII, no reinado de D. José I (1750-1777), por meio do Ministro Marquês de Pombal, as aulas régias no Brasil. Nesta perspectiva, aborda-se o ideário iluminista, no qual a atuação da Igreja deveria ser restritamente vinculada aos aspectos referentes à religiosidade, enquanto unicamente o Estado engajar-se-ia na implantação, consolidação e manutenção da educação da população. Em sequência, tratam-se das estratégias para a manutenção, expansão e continuidade das aulas régias. Por fim, este estudo sinaliza que compreender a atuação do Marquês como retrocesso do ensino significa negar a relevância das ideias iluministas como objeto passível de análise.

Biografia do Autor

Ednardo Monteiro Gonzaga do Monti, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - ProPEd/UERJ (Conceito CAPES 7), com período de estágio no exterior financiado pela CAPES, realizado no programa de Pós-graduação em História da Universidad Alcalá (Madri - Espanha), mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis, especialista em Educação Musical pelo Conservatório Brasileiro de Música - Centro Universitário (CBM-CEU), especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pela Universidade Gama Filho. Fez os cursos de Música (piano) e licenciatura em Educação Artística - Habilitação em Música no CBM-CEU, e o de licenciatura em Pedagogia na Universidade Nove de Julho. Foi membro da equipe que elaborou o currículo de Artes/Música da rede de escolas da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro SEEDUC. Atuou como regente coral do sistema PETROBRAS (2008-2014), como Coordenador Geral Acadêmico e professor dos cursos de graduação e pós-graduação do CBM-CEU e Vice-diretor Geral da Faculdade de Belford Roxo - RJ. Hoje trabalha como avaliador do Ministério da Educação - MEC/INEP nos processos de regulação para autorização e reconhecimento de cursos de graduação e como professor do curso de graduação em Música  e Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Piauí - UFPI. Apresentou trabalhos em eventos científicos internacionais no Brasil, Espanha, Portugal, México, Argentina e Colômbia.

Referências

ARRIADA, Eduardo; TAMBARA, Elomar Antonio Callegaro. Aulas régias no Brasil: o regimento provizional para os proffesores de philosofia, rhetorica, grammatica e de primeiras letras, no estado do Grão Pará (1799). História da Educação, Porto Alegre, v. 20, n. 49, p. 287-303, maio/ago. 2016.
AZEVEDO, Fernando de. A cidade e o campo na civilização industrial e outros ensaios. São Paulo: Melhoramentos, 1962.
AZEVEDO, Fernando de. O sentido da educação colonial. In: A CULTURA brasileira. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1943. p. 289-320.
BOTO, Carlota. A dimensão iluminista da reforma pombalina dos estudos: das primeiras letras à universidade. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 44, p. 282-299, ago. 2010.
BOURDIEU, P. A Escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, Afrânio. (Org.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.
CARDOSO, Tereza Fachada Levy. As Aulas Régias no Brasil. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara. (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. v. 1, p. 179-191.
CARDOSO, Tereza Fachada Levy. As Aulas Régias no Rio de Janeiro: do projeto à prática 1759-1834. História da Educação, Porto Alegre, v. 3, n. 6, p. 105-130, 1999.
FERNANDES, Rogério. Os caminhos do ABC. Porto: Porto, 1994.
FONSECA, Thais Nívia de Lima e. Educação na América Portuguesa: sujeitos, dinâmicas, sociabilidades. História: Questões e Debates, Curitiba, v. 60, n. 1, p. 15-38, jan./jun. 2014.
FONSECA, Thais Nívia de Lima e. As Câmaras e o ensino régio na América portuguesa. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 33, n. 66, p. 229-246, 2013.
LARROSA, Jorge. Dar a palavra: notas para uma dialógica da transmissão. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Org.) Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 281-295.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 34. ed. São Paulo: Cortez, 2012. v. 1.
MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
MORAIS, Christianni Cardoso; OLIVEIRA, Cleide Cristina; MARGOTI, Suellen Cássia. Aulas régias, cobrança do subsídio literário e pagamento dos ordenados dos professores em Minas Gerais no período colonial. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 3, n. 1, p. 81-104, jan./jun. 2012.
NEVES, Luiz Felipe Baeta. O combate dos soldados de Cristo na terra dos papagaios. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.
NÓVOA, António. Por que a História da Educação? In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil: séculos XVI-XVIII. Petrópolis: Vozes, 2004. v. 1.
OLIVEIRA, Jose Pedro Garcia; RAMALHO, Betânia Leite. Aulas Régias na Capitania do Grão-Pará (1759 – 1808). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: História e Memória da Educação Brasileira. 2., 2002, Curitiba. Resumos... Curitiba: EdUFRN, 2002. p. 1-9
PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Educação das massas: uma sombra no Século das Luzes. In: VIDAL, D.; HILSDORF, M. L. S. (Org.). Tópicas em história da educação: Brasil 500 anos. São Paulo: USP, 2001. p. 53-66.
PORTUGAL. Alvará régio de 28 de junho de 1759. Lisboa, 1759a. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2017.
PORTUGAL. Alvará régio de 3 de setembro 1759. Lisboa, 1759b. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2017.
PORTUGAL. Lei de 6 de setembro 1772. Lisboa, 1772. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2017.
VASCONCELOS, Maria Celi Chaves. A casa e seus mestres: a educação no Brasil de Oitocentos. Rio de Janeiro: GRYPHUS, 2005.
Publicado
2018-04-23
Como Citar
MONTI, E. Aulas régias:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 1, p. 73-89, 23 abr. 2018.
Seção
Artigos