Andanças e desassossegos em cartas que não exigem respostas

  • Leandro Belinaso Guimarães Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Arte., Cotidiano., Formação., Narrativa.

Resumo

O ensaio reúne três cartas escritas entre março e abril de 2017. Foram endereçadas, inicialmente, a estudantes de um curso de Licenciatura, mas escritas para serem lidas por qualquer pessoa. A questão multicultural emerge nelas a partir da coleta de diferentes repertórios que as andanças pelas cidades e os encontros cotidianos propiciaram. A série ensaística de cartas esforça-se por mostrar o que se potencializa na entrega do corpo e do pensamento aos encontros com uma cidade, um amigo, um professor, uma estudante, uma fotografia, uma narrativa, um filme, um romance, um museu, uma ventania, uma chuva, um copo de água, um gesto, um ruído, um instante.

Referências

AUGÉ, Marc. Efeito pedalada. Piseagrama, n. 7. Belo Horizonte, 2015.
CARRASCOZA, João Anzanello. Trilogia do adeus. São Paulo: Alfaguara, 2017.
HEMPKEMEYER, Sheila. Pedalar: uma experiência educativa sobre duas rodas na cidade. 2016. Dissertação (Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2016.
LOPONTE, Luciana. Artes visuais como plataforma para pensar e viver: outros espaços para a docência. In: CHAVES, Silvia; BRITO, Maria (Org.). Formação, ciência e arte: autobiografia, arte e ciência na docência. São Paulo: Livraria da Física, 2016.
SALOMÃO, Waly. Poesia total. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
SILVA, Breno; GANZ, Louise. Lotes vagos: ocupações experimentais. Belo Horizonte: Instituto Cidades Criativas, 2009.
Publicado
2017-11-16
Como Citar
GUIMARÃES, L. Andanças e desassossegos em cartas que não exigem respostas. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 3, p. 579-590, 16 nov. 2017.
Seção
Dossiê - Inquietudes e fronteiras cotidianas em educação