Pesquisar o/no cotidiano na pesquisa social:

reflexões sobre a noção de lugar, território e redes de associação

  • Mary Jane Paris Spink Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Peter Kevin Spink Escola de Administração de Empresas de São Paulo - Fundação Getúlio Vargas
Palavras-chave: Cotidiano., Lugar., Território., Redes de associação., Práticas discursivas.

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir a trajetória que leva da inserção do cotidiano como foco de pesquisa às problematizações recentes sobre lugar e território. São abordados três momentos distintos de reflexão acerca do cotidiano, trabalhados como “viradas” conceituais com implicações metodológicas. Iniciamos abordando sucintamente a “virada para o mundo vivido” nas décadas de 1960-1980. A seguir, apontamos para uma segunda virada que provém de discussões na geografia e na teoria social sobre “lugar” e, mais tarde, sobre “território”, nas suas vertentes de “território vivido” e território de vivência”. Propomos que estamos vivenciando uma terceira virada, que tem por foco redes heterogêneas e cadeias de associações entre humanos e não humanos, decorrentes de aproximações com a Teoria Ator Rede e com a discussão atual na geografia a respeito de multiterritorialidades. Finalizamos comentando a importância de se repensarem as posturas de investigação quando localizamos a pesquisa no cotidiano.

Biografia do Autor

Mary Jane Paris Spink, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutora em Educação.

Referências

AUGÉ, Marc. Non-Places. London: Verso, 1995.
BARKER, Roger G.; WRIGHT, Herbert F. Midwest and its children: the psychological ecology of an American town. Connecticut, USA: Archon Books, 1971.
BAUMAN, Zigmunt. Globalization: the human consequences. Cambridge: Polity Press, 1998.
BLOCH, Maurice. The past and the present in the present. Man, New Series, Great Britain, Man, v. 12, n. 2, p. 278-292, ago. 1977.
BOISSEIVAIN, Jeremy. Friends of friends: networks, manipulators and coalitions. New York: St. Martin Press, 1974.
BOURDIEU, Pierre. Structures, habitus and practices. Cambridge: Polity Press, 1994.
BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1992.
CASTELLS, Manoel. A sociedade em rede. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1996.
DELEUZE, Giles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. v. 1.
GARFINKEL, Harold. Studies in ethnomethodology. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1967.
GIDDENS, Anthony. Central problems in social theory. London: Macmillan Press, 1979.
GOFFMAN, Erving. Representação do eu no cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2006. (Edição original, 1956).
GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
GUARINELLO, N. L. História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 13-38, 2004.
HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim do território” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016.
HELLER, Agnes. O quotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.
HUBBARD, Phil; KITCHIN, Rob (Ed.). Key thinkers on space and place. Thousand Oaks, Califórnia: Sage, 2011.
IBÁÑEZ, Tomas. O giro linguístico. In: IÑIGUEZ, Lupicinio (Org.). Manual de análise do discurso em Ciências Sociais. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 19-49.
KOGA, Dirce; ALVES, Vanice A. A interlocução do território na agenda das políticas sociais. Revista Serviço Social e Saúde, Campinas, v. 9, n. 9, p. 69-81, jul. 2010.
LATOUR, Bruno. On interobjectivity. Mind, culture and activity, v. 3, n. 4, p. 228-245, 1996.
LATOUR, Bruno. Reassembling the social. New York: Oxford University Press, 2005.
LAW, John; HASSARD, John (Ed.). Actor network theory and after. Oxford: Blackwell Publisher, 1999.
MARSTON, Sallie. A.; JONES III, John P.; WOODWARD, K. Human geography without scale. Transactions of the Institute of British Geographers, NS, v. 30, n. 4, p. 416-432, dez. 2005.
MOL, Annemarie. Ontological politics: a word and some questions. In: LAW, John; HASSARD, John. (Ed.). Actor network theory and after. Oxford: Balckwell Publisher, 1999. p. 74-89.
MOL, Annemarie. The body multiple. London: Duke University Press, 2002.
MONTERO, Maritza. Hacerpara transformar: el método em la psicología comunitária. Buenos Aires: Paidós, 2006.
SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: EDUSP, 2005.
SCOTT, James C. Seeing like a State: how certain schemes to improve the human condition have failed. New Haven Ct.: Yale University Press, 1988.
SPINK, Mary Jane P. Pesquisando no cotidiano: recuperando memórias de pesquisa em Psicologia Social. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 7-14, jan./abr. 2007.
SPINK, Mary Jane P. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Livro eletrônico. Biblioteca Virtual de Ciências Humanas do Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010. Versão eletrônica de livro publicado pela EDIPUCRS em 2004.
SPINK, Mary Jane P. Viver em áreas de risco: tensões entre gestão de desastres ambientais e os sentidos de risco no cotidiano. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 9, p. 3743-3754, set. 2014.
SPINK, Mary Jane P. O cotidiano como foco de pesquisa na psicologia: o que há de novo nesse cenário? In: CORDEIRO, Rosineide; KIND, Luciana (Org.). Narrativas, gênero e política. Curitiba: CRV, 2016. p. 173-184.
SPINK, Peter K. Um lugar para o “lugar” na Psicologia. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, 9., 2000, Serra Negra.
SPINK, Peter K. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 18-42, maio/ago. 2003.
SPINK, Peter K. O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 20, edição especial, p. 70-77, 2008.
URRY, John. Consuming places. London: Routledge, 1995.
Publicado
2017-11-16
Como Citar
SPINK, M.; SPINK, P. Pesquisar o/no cotidiano na pesquisa social:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 3, p. 591-605, 16 nov. 2017.
Seção
Dossiê - Inquietudes e fronteiras cotidianas em educação