O discurso sobre as metodologias ativas para o ensino de biologia

teorizações e trilhas na formação inicial de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2020v22n3p917-938

Palavras-chave:

Discurso pedagógico, Ensino de biologia, Inovação

Resumo

Há muitas e boas razões para incluir as metodologias ativas de aprendizagem na formação de professores, já que elas permitem tanto ao docente quanto ao discente conscientizarem de seu papel ativo, participativo e crítico à altura do tempo em que vivemos. Neste artigo, relatam-se os resultados de uma pesquisa de natureza qualitativa, realizada com o objetivo de analisar o discurso dos licenciandos em sobre o uso de metodologias ativas para o ensino de biologia. O corpus de análise é composto pelos dizeres de doze licenciandos e discutido pelo referencial da Análise de Discurso Francesa. Os resultados destacam três abordagens, denominadas por trilhas, que expressam os sentidos produzidos pelos licenciandos sobre a aprendizagem ativa. Por fim, estes sentidos sinalizam uma forma de problematizar o discurso pedagógico autoritário e desbravar as trilhas inovadoras e desejáveis para a docência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Siqueira Palcha, Universidade Federal do Paraná

Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Doutor e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR. Professor do Departamento de Teoria e Prática de Ensino (DTPEN, Setor de Educação), do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE, Setor de Educação) e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM, Setor de Ciências Exatas) da UFPR. Tenho experiência na área de ensino, pesquisa e extensão. 

Referências

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARRETO, C. B. Questionamento sistemático: alicerce na reconstrução do conhecimento. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDPUCRS, 2004. p. 171-188.

CACHAPUZ, A. et al. (orgs.). A necessária renovação do ensino de ciências. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CARVALHO, A. M. P. Critérios estruturantes do Ensino de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P. (org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a Prática. São Paulo: Cengage Learning, 2015. p. 1-17.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. (org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2016. p. 1-20.

CRUZ, G. B.; HOBOLD, M. Práticas formativas de professores em cursos de licenciatura: diferentes estratégias de ensinar. In: ANDRÉ, M. (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas: Papirus, 2016. p. 237-262.

FELDER, R. M.; BRENT, R. Active learning: an introduction. ASQ higher education brief, Milwaukee, v. 2, n. 4, p. 1-5, 2009.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GUIMARÃES, L. B. Desnaturalizando as práticas no ensino de biologia. In: MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S.; AMORIM, A. C. R. (orgs.). Ensino de biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói, Uduff, 2005. p. 171-181.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2016.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2017.

MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Ensino de biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MORAES, R. (org.). Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

MORAN, J. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. Campinas: Papirus, 2012.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem prático-teórico. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 129-151.

OPFER, V. D.; PEDDER, D. Conceptualizing Teacher Professional Learning. Review of Educational Research, Washington, v. 81, n. 3, p. 376-407, set. 2011

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 6. ed. São Paulo: Pontes, 2011.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 11. ed. Campinas: Pontes, 2013.

ORLANDI, E. P. Na trilha: teoria, autoria e reescrita. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L.; MITTMANN, S. (org.). Análise de discurso: dos fundamentos aos desdobramentos (30 anos de Michel Pêcheux). Campinas: Mercados das Letras, 2015. p. 21-31.

ORLANDI, E. P. Eu, tu, ele: discurso e real da história. 2. ed. Campinas: Pontes, 2017.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 3. ed. Campinas: Pontes, 2002.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2012.

SOLÉ, I.; COLL, C. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, C. (org.). O construtivismo na sala de aula. 6. ed. São Paulo: Ática, 2009. p. 9-28.

THADEI, J. Mediação e educação na atualidade: um diálogo com a formação de professores. In: BACICH, L.; MORAN, J. (orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem prático-teórico. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 91-105.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez. 2010.

ZEICHNER, K. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

PALCHA, L. S. O discurso sobre as metodologias ativas para o ensino de biologia: teorizações e trilhas na formação inicial de professores. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 3, p. 917-938, 23 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos de Demanda