As (cada vez mais) novas tecnologias inseridas no cotidiano escolar sob a ótica docente

  • Leandro Petarnella Universidade Nove de Julho
  • Leandro Nhoncance Universidade Nove de Julho
Palavras-chave: Cotidiano escolar., Novas tecnologias., Práticas pedagógicas.

Resumo

Este trabalho objetivou desvelar a percepção e/ou o entendimento docente sobre os atuais desafios para a utilização novas tecnologias em práticas pedagógicas no cotidiano escolar. Para tanto, utilizou-se da técnica da análise do conteúdo preconizada por Bardin (2007) como metodologia de análise aplicada às respostas de 07 professores atuantes em uma escola da rede pública de ensino em São Paulo/SP. A interpretação e discussão dos dados permitiu-nos concluir que a inovação nas práticas pedagógicas, segundo os entrevistados ainda depende, intrinsicamente, do apoio e de ações governamentais que objetivem tal finalidade. Ainda: os resultados apontam para uma falsa percepção docente de que as novas tecnologias não são capazes de promover mudanças nas práticas pedagógicas.

Biografia do Autor

Leandro Petarnella, Universidade Nove de Julho

Doutor em Educação pela Universidade de Sorocaba e em Administração pela Universidade Nove de Julho. Professor da Diretoria de Ciências Gerenciais da Universidade Nove de Julho.

Leandro Nhoncance, Universidade Nove de Julho

Mestre em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor da Diretoria de Ciências Gerenciais da Universidade Nove de Julho e da Rede Estadual de Educação do Estado de São Paulo.

Referências

ANTONIO, José Carlos. Uso pedagógico do GoogleDocs, professor digital. 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2017.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2007.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília, 2000.
CAMAS, Nuria Pons Villardel. Revisão teórica da ação pedagógica virtual. Revista EducaOnline, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, jan./abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.
CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2006.
CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.
D’AMBRÓSIO, Ubiratam. Educação matemática: da teoria a prática. Campinas: Papirus, 2003.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. v. 1
FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.
FLUSSER, Vilém. Do espelho. In: FLUSSER, Vilém. Ficções filosóficas. São Paulo: Edusp, 1998.
FLUSSER, Vilém. A dúvida. São Paulo: Annablume, 2008.
GOOGLE. Vá além da edição de texto. Disponível em: . Acesso em: 7 jan. 2017.
GUERREIRO, Kátia Bomfim de Carvalho. Os profissionais da educação e as novas tecnologias – é possível funcionar sem “energia”?. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2002.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Uso de celulares no Brasil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2017.
MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
MORAIS, Gelcivânia Mota Silva. Novas tecnologias no contexto escolar. Revista Comunicação & Educação, São Paulo, v. 6, n. 18, p. 15-21, maio/ago. 2000.
PETARNELLA, Leandro. Educação e cotidiano: a quarta idade da midiasfera. 2011. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2011.
SANTAELLA, Lúcia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulos, 2004.
SARLO. Beatriz. Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e videocultura na Argentina. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2004.
SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
VERGARA, Sylvia Constant. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.
Publicado
2017-11-16
Seção
Artigos