Paulo Freire:

um educador dos trópicos

Palavras-chave: Paulo Freire., Antropofagia cultural brasileira., Intercultura.

Resumo

Este texto resulta de alguns anos de pesquisas acadêmicas, de estudos e de diálogos em eventos onde a obra de Paulo Freire foram orientadoras das reflexões. Com este artigo procuro estabelecer um diálogo/encontro do tipo antropofágico, entre algumas ideias de Paulo Freire e os pressupostos filosóficos e epistemológicos da Antropofagia Cultural Brasileira (ACB) pós-Semana de Arte Moderna de 1922. Meu principal objetivo é (1) refletir sobre uma educação que tenha como ponto de partida o desejo de atendimento das necessidades contemporâneas da sociedade brasileira e (2) pensar uma educação que contemple a diversidade das culturas que formam aquilo que Darcy Ribeiro denominou em seu livro clássico O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil - de gentes brasilis. Ao trazer Paulo Freire para o contexto filosófico da ACB faço uma homenagem a sua trajetória de vida. Freire fez o que raros pensadores brasileiros jamais fizeram: criou sua própria filosofia educacional a partir de um diálogo devorativo. Aqui reside o caráter antropofágico e intercultural da obra freireana, ontem e hoje.

Biografia do Autor

Valdo Hermes Barcelos, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Prof. Associado-UFSM-Departamento de Aministração Escolar. Programa de Pós-Graduação em Educação.  PhD em Antropofagia Cultural Brasileira. Pesq. Prod. 1 - CNPQ. Consultor MEC/UNESCO - MEC/MMA - CYTED - INPA - MCT. Membro da Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências - ALPHAS - 21 - Cadeira Paulo Freire. Membro da Academia Santa Mariense de Letras-ASL - Cadeira Cyro Martins.

Referências

AMARAL, A. Artes plásticas na semana de 22. São Paulo: BOVESPA, 1998.
ANDRADE. Oswald. Os dentes do dragão - entrevistas. São Paulo: Globo, 1990.
ANDRADE, Mario de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 1928.
BOPP, Raul. Poesia completa de Raul Bopp. São Paulo: José Olimpio, 1998.
CASTRO, Eduardo Viveiros de. Eduardo Viveiros de Castro: encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.
DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade: e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
FREIRE, Paulo. El grito manso. Buenos Aires: Siglo Vientiuno, 2003a.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2003b.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.
FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1992.
GADOTTI, Moacir. Educação de adultos como direito humano. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009. Cadernos de formação, 4.
GOMES. Roberto. A crítica da razão tupiniquim. Curitiba: Cria Edições, 1986.
HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
VARGAS LLOSA, Mario. Saberes e utopias: visões da América Latina. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.
NUNES, Benedito. Ensaios filosóficos. São Paulo: WMF, 2010.
RIBEIRO, Darcy. Utopia Brasil. São Paulo: HEDRA, 2007.
SANTIAGO, Silviano. Ora (direis) puxar conversa: ensaios literários. Belo Horizonte: UFMG, 2006.
Publicado
2018-08-13
Como Citar
BARCELOS, V. Paulo Freire:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 2, p. 383-399, 13 ago. 2018.
Seção
Dossiê - Exercícios de trans-ver Paulo Freire