O que Paulo Freire tem a nos dizer

Palavras-chave: Paulo Freire., Educação libertária., Pedagogia do oprimido.

Resumo

O presente texto se propõe falar de Paulo Freire desde a perspectiva de alguém que não só conhece sua obra, mas que também conviveu academicamente com o autor. Não se trata de seguir trilha meramente subjetivista, mas de construir uma abordagem que respeite a forma de pensar, de escrever e de ser de Paulo Freire pensador, professor e autor. Sem esta visão peculiar do trabalho de Freire, corre-se o risco de perder um aspecto importante e, talvez, essencial de sua postura pedagógica cujo sentido maior era superar as posturas classistas inerentes ao tecido fiado segundo moldes capitalistas. Para Freire, o reconhecimento de todos os seres humanos como iguais e o incremento de estratégias concretas, práticas e factíveis, para alcançar este ideal era o sentido maior e último da educação. Duas estratégias parecem a Freire essenciais: primeiro a conscientização do princípio antropológico da igualdade e, segundo, a busca de estratégias de superação das diferenças mediante o acesso à cultura pela educação. O objetivo da presente reflexão é prestar reconhecimento à sua obra e dar azo a alguns impulsos reflexivos a partir de seus pensamentos.

Biografia do Autor

Pedro Laudinor Goergen, Universidade de Sorocaba - Uniso

Doutor em Filosofia - Ludwig Maximilians Universität München. Pos-doutorado na Universidade de Bochum e no Instituto Max Planck da Alemanha. Atualmente é professor titular da Universidade de Sorocaba e professor titular (colaborador) da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
BROWN, Wendy. Undoing the people: neoliberalism’s stealth revolution. Cambridge: Zone Books, 2015.
BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo, 2016.
DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Comum. São Paulo: Boitempo, 2017.
O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo, ano 42, 08 dez. 1963.
O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo, ano 42, 21 dez. 1963.
FIORI, Ernani Maria. Aprenda a dizer sua palavra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.
FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.
FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
GADOTTI, Moacir; TORRES, Alberto. Estado e educação popular na América Latina. Campinas: Papirus, 1992.
HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2009.
Publicado
2018-08-29
Como Citar
GOERGEN, P. O que Paulo Freire tem a nos dizer. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 20, n. 2, p. 357-369, 29 ago. 2018.
Seção
Dossiê - Exercícios de trans-ver Paulo Freire