Da racionalidade à subjetividade

educação estética e sensibilidades nas cartas de Friedrich Schiller

Palavras-chave: Educação, Estética, Sensibilidades, Schiller.

Resumo

Neste artigo refletimos sobre a formação estética do homem a partir do diálogo estabelecido entre Friedrich Schiller e o Duque de Augustenburg, o que conhecemos hoje como as cartas de Schiller. Busca-se problematizar alguns pressupostos teóricos presentes nestas cartas a respeito da pessoa e de como este constrói sua subjetividade a partir de sensações estéticas. É assumido, na presente investigação, o objetivo de compreender a (des)valorização do sensível e o (des)equilíbrio entre natureza humana, sensibilidade e educação estética do homem, tendo as cartas de Schiller como universo de reflexão. Trata-se de uma pesquisa de natureza bibliográfica, de caráter exploratório-descritivo. As premissas apresentadas no presente estudo apontam que as questões suscitadas pelo filósofo continuam atuais à compreensão sobre como a formação estética dialoga com a constituição das subjetividades, da moral e, principalmente, com a valorização das sensibilidades enquanto mobilizadoras da existência humana.

   

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário de Faria Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Sciences Sociales - Université René Descartes - Paris V . Diplôme détudes Approfondies (DEA) em Sciences Sociales - Université de Caen Basse Normandie. Graduação em Design - Ecole dArchitecture de Grenoble e pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor Associado Nível I do Núcleo de Design e Comunicação e Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea, ambos da Universidade Federal de Pernambuco / Centro Acadêmico do Agreste. Orienta estudos sobre: Artes, Estética, Educação e Interculturalidades. Interessa-se por pesquisas que reflitam sobre Expressões Artísticas, Cultura Popular, Estética(s), Sensibilidades, Teoria do Imaginário, Barroco, Estudos Pós-Estruturalistas e Gênero.

Graciele Maria Coelho de Andrade Gomes, Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda em Educação Contemporânea, Especialista em Educação em Diretos Humanos, Licenciada em Desenho e Plástica, Universidade Federal de Pernambuco. Licenciada em Pedagogia - Centro Universitário Internacional. Integrante do O Imaginário - Grupo de Pesquisas Transdisciplinares sobre Estética, Educação e Cultura (UFPE-CAA/CNPq). 

Referências

BARBOSA, Ricardo. A especificidade do estético e a razão prática em Schiller. Kriterion, Belo Horizonte, n. 112, p. 229-242, dez. 2005.

BARBOSA, Ricardo. Schiller e a cultura estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahan, 2004.

GREUEL, Marcelo da Veiga. Da “Teoria do Belo” à “Estética dos sentidos”: reflexões sobre Platão e Friedrich Schiller. Anuário de Literatura, Florianópolis, v. 2, p. 147-155, 1994.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes (1785). Lisboa: Edições 70, 2007.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1980. Série Os pensadores.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis: Vozes, 1998.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NUNES, Benedito. Introdução à filosofia da arte. 5. ed. São Paulo: Ática, 2006.

PORTA, Mario Ariel González. A filosofia a partir de seus problemas: didática e metodologia do estudo filosófico. São Paulo: Loyola, 2002.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem, numa série de cartas. 4. ed. São Paulo: Iluminuras, 2002.

SILVA, Jorge Anthonio e. O fragmento e a síntese: a estética objetiva de Schiller. São Paulo: Perspectiva, 2001.

SÜSSEKIND, Pedro. Schiller e os gregos. Kriterion, Belo Horizonte, v. 46, n. 112, p. 243-259, 2005.

SÜSSEKIND, Pedro. O impulso lúdico: sobre a questão antropológica em Schiller. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 10, p. 11-24, 2011.

SUZUKI, Márcio. O belo como imperativo. In: SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem, numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 2014. p. 9-20.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Fenomenologia do Ethos. In: VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Escritos de filosofia II: ética e cultura. São Paulo: Loyola, 1988. p. 121-138.

Publicado
2019-12-09
Como Citar
CARVALHO, M. DE F.; GOMES, G. M. C. DE A. Da racionalidade à subjetividade: educação estética e sensibilidades nas cartas de Friedrich Schiller. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 3, p. 693-707, 9 dez. 2019.
Seção
Dossiê - Formação Humana e Educação: perspectivas contemporâneas