Há uma horta no meio da cidade

Palavras-chave: Práticas pedagógicas, Perspectiva ecologista de educação, Narrativas

Resumo

Este texto ressalta as perspectivas ecologistas das práticas pedagógicas realizadas em 2018 com as turmas de graduação em Pedagogia e Geografia, do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, permeadas por diálogos amorosos, estudos e problematizações de situações concretas que vivemos nos cotidianos como sujeitos históricos com capacidade de conhecer e intervir no mundo e com o mundo. Nosso desejo com esse artigo é apresentar movimentos de aprender e ensinar, que fazem parte das concepções do Projeto Narradores da Maré, com ênfase nos movimento ecologistas das práticas pedagógicas aqui expostas com narrativas e imagens. Nosso posicionamento se aproxima dos pensamentos de Paulo Freire e de Marcos Reigota conectados com as dimensões éticas, teóricas e metodológicas das perspectivas ecologistas de educação. Durante o semestre letivo criamos momentos de leituras, estudos e diálogos em sala de aula, oficinas de composteira, aulas de campo no centro histórico de Vitória e seminários de apresentação dos grupos de trabalhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Soler Gonzalez, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Educação (UFES). Professor Adjunto do Centro de Educação/Ufes e Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Educação (PPGME/Ufes). Coordenador do Laboratório de Ensino e Aprendizagem em Geografia - Leageo/Ufes.

Andréia Teixeira Ramos, Universidade Federal do Espirito Santo

Doutora em Educação (UNISO). Pesquisadora colaboradora do Projeto de Extensão, Pesquisa, Ensino e formação "Narradores da Maré: geografias dos manguezais da Baía de Vitória e formação de professores/as” e do Grupo de Pesquisa “Territórios de Aprendizagens Autopoiéticas” (CNPq/Ufes).

Publicado
2019-04-30
Como Citar
GONZALEZ, S.; RAMOS, A. Há uma horta no meio da cidade. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 21, n. 1, p. 157-178, 30 abr. 2019.
Seção
Dossiê - As Educações Ambientais insistem e lutam: (re)existências, vivências,