A conquista de um novo território

diálogos decoloniais com indígenas egressos do curso de Direito sobre a universidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2021v23n3p899-917

Palavras-chave:

Acadêmicos indígenas, Curso de Direito , Acesso e permanência.

Resumo

Fruto de uma pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco/UCDB, o texto vinculado ao Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais/CNPq tem objetivo de descrever os diálogos e as manifestações de indígenas egressos do curso de Direito sobre o acesso e a permanência na universidade. Amparado por reflexões teóricas no campo dos estudos pós-coloniais e da decolonialidade, o artigo utilizou-se de uma metodologia de caráter qualitativo, onde os dados produzidos ocorreram por meio de entrevistas com egressos indígenas do curso de Direito que integram a primeira rede de advogados indígenas do Brasil da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) em parceria com instituto Pró-Bono. Estar na universidade significa criar um espaço de fronteira indianizado, um lugar onde a cultura indígena se mantém e se atualiza dinamicamente por constantes transformações, principalmente na interação, no diálogo que se estabelece com o outro e na promoção de uma política que promove a diversidade e a diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Magno Naglis Vieira, Universidade Católica Dom Bosco/UCDB

Doutor em Educação. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e Doutorado da Universidade Católica Dom Bosco.

Maurício Serpa França, Universidade Católica Dom Bosco

Indígena Terena. Graduação em Direito. Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco/Campo Grande - MS.

Referências

ALASUUTARI, Pertti. Researching culture: qualitative method and cultural studies. Londres: Sage, 1995.

ARANTES, Ester Maria de Magalhães. Escutar. In: FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci. Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 91-94.

BACKES, José Licínio; NASCIMENTO, Adir Casaro. Aprender a ouvir as vozes dos que vivem nas fronteiras étnico-culturais e da exclusão: um exercício cotidiano e decolonial. Série-Estudos, Campo Grande, n. 31, p. 25-34, jan./jun. 2011.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_05.10.1988/CON1988.asp. Acesso em: 10 mar. 2021.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; RUSSO, Kelly. Interculturalidade e educação na América Latina: uma educação plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010

COSTA, Sérgio. Desprovincializando a sociologia: a contribuição pós-colonial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Campinas, v. 21, n. 60, p. 117-134, fev. 2006.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 120-139.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000. v. 1.

FLEURI, Reinaldo Matias. Educação Intercultural: decolonializar o poder e o saber, o ser e o viver. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 7-22, jan./dez. 2012.Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/184891/ap2012_FLEURI_Apresentacao_Educacao_Intercultural.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 11 abr. 2021.

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais negros e produção do conhecimento: algumas reflexões sobre a realidade brasileira. In: SANTOS, B. S.; MENEZES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 419-442.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Brasília: IBGE, 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf. Acesso em: 11 abr. 2021.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2019. Brasília: MEC, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados. Acesso em: 11 abr. 2021.

NASCIMENTO, Adir Casaro; VIEIRA, Carlos Magno Naglis; URQUIZA, Antônio Hilário Aguilera. Protagonismo indígenana pós-graduação: decolonizando o currículo e o espaço universitário. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 13, n. especial, p. 866-873, 2020.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. p. 117-142.

SILVEIRA, Rosa M. Hessel. A entrevista na pesquisa em educação: uma arena de significados. In: COSTA, Marisa Vorraber. (org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 119-142.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: D&A, 2003.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WALSH, C. Interculturalidade, crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, reexistir e re-viver. In: CANDAU, V. M. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 1-19.

WALSH, C. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais. In: CANDAU, V. M. (org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016. p. 64 -75.

Downloads

Publicado

2021-11-05

Como Citar

VIEIRA, C. M. N.; FRANÇA, M. S. . A conquista de um novo território: diálogos decoloniais com indígenas egressos do curso de Direito sobre a universidade . Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 899–917, 2021. DOI: 10.22483/2177-5796.2021v23n3p899-917. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/4791. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Demanda