Corpos depreciados: representações de gênero e geração na infância

Autores

  • Bianca Salazar Guizzo
  • Dinah Quesada Beck

Resumo

O principal objetivo deste trabalho é procurar mostrar como determinadas representações de corpo, gênero e geração, construídas e reiteradas diariamente por meio das mais diversas pedagogias culturais, ecoam e circulam como verdades quase que absolutas entre crianças de uma turma de Educação Infantil de uma escola pública municipal de Esteio/RS. Para isso, foram realizadas observações e propostas atividades que envolviam as questões de gênero e geração ao longo de um ano. Para o desenvolvimento das análises foram utilizadas as contribuições dos Estudos Culturais, de Gênero e de Cultura Visual, especialmente aqueles que se aproximam da perspectiva pós-estruturalista. Tais campos mostram-se produtivos porque consideram que as identidades infantis são constituídas continuamente dentro de determinadas culturas, pela disputa constante de poder. Os resultados mostraram que as crianças da escola pesquisada já possuem noções de belo e feio a partir das quais se valem para colocar em prática atos preconceituosos e discriminatórios. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

GUIZZO, B. S.; BECK, D. Q. Corpos depreciados: representações de gênero e geração na infância. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 16, n. 2, 2014. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/2083. Acesso em: 17 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos