Avaliação em larga escala e trabalho docente:

da lógica eficientista à lógica contrarregulatória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2017v19n2p417-436

Resumo

Nos últimos anos, intensificou-se, na busca da qualidade, o uso da avaliação em larga escala na educação brasileira. São gerados, na escola e no trabalho docente, efeitos diversos. Discutir as implicações destas avaliações no trabalho docente é objetivo deste artigo. A pesquisa realizou-se em escolas de duas redes municipais da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Buscou-se investigar os sentidos e efeitos que os resultados das avaliações externas, na educação básica, provocam no trabalho docente, a partir das vozes de gestores e de professores. Entrevistas semiestruturadas feitas com gestores e professores participantes direcionaram nossas análises. Identificou-se processo de intensificação do trabalho docente, responsabilização dos profissionais e traços de sua desqualificação. Há, porém, indícios de alternativas ancoradas no conceito de qualidade negociada e responsabilização alternativa como caminhos de contrarregulação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Amaro, UERJ - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - UERJ/FEBF

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, CULTURA E COMUNICAÇÃO EM PERIFERIAS URBANAS

Publicado

04-09-2017

Como Citar

AMARO, I. Avaliação em larga escala e trabalho docente:: da lógica eficientista à lógica contrarregulatória. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 19, n. 2, 2017. DOI: 10.22483/2177-5796.2017v19n2p417-436. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/2552. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos