Experiências e comunicações fenomenológicas de camponeses e camponesas

aprendizagens constituídas entre território e linguagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id3967

Palavras-chave:

território, aprendizagem, comunicação.

Resumo

Esse texto busca refletir a consolidação na consciência camponesa à sua realidade rural, suas contradições a partir de comunicações com a realidade urbana, moderna e capitalista e sua crise em seu espaço e na própria mudança à cidade. Como esse camponês e camponês-urbanizado apreende com o seu corpo-próprio o mundo o qual vive, com os instrumentos com o qual trabalha e com o Outro. O objetivo deste trabalho é compreender este processo de apreensão de uma realidade que ambiguamente o afirma e que nega o próprio camponês fazendo este se auto negar, negando seu mundo, de sorte que este mundo perde o seu significado e, posteriormente, não se encontrando ou tendo dificuldade de se encontrar no mundo urbano/capitalista. A pesquisa, fundamentada na abordagem fenomenológica merleau-pontyana, utilizou-se também de pensadores como Giorgio Agamben e Milton Santos; dos conceitos de Clifford Geertz, ‘teia da vida’ e de Manuel Castells, em seu conceito de identidade. Pode-se constatar que o camponês enquanto seres-no/ao-mundo-com-os-outros-eus forma a sua identidade a partir de sua situação encarnada neste mundo campesino criando significações e intencionalidades; da mesma maneira a perca desta identidade, ameaçada pela desterritorialização da qual se situa nas mudanças de sua intenção significativa sobre este mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Apolucena Cabral, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. Doutor em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. 

Luiz Augusto Passos, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutorado em Educação (Currículo), pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Doutorado em Educação, pela Universidade Federal de Mato Grosso; Mestre em Educação, pela Universidade Federal de Mato Grosso; Graduação em Teologia, pelo Colégio Máximo Cristo Rei; Graduação em Filosofia, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Senhora Medianeira. Professor permanente no Programa de Pós Graduação em Educação - PPGE da Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT. Coordena o Grupo de Pesquisa Movimentos Sociais e Educação (GPMSE) e o Grupo de Estudos Educação & Merleau-Ponty (GEMPO). 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). São Paulo: Boitempo, 2008.

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? E outros ensaios. Santa Catarina: Argos, 2009.

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

BAKHTIN, Michail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1986.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CANDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

CAPALBO, Creusa. A filosofia de Merleau-Ponty: historicidade e ontologia. Londrina: Edições Humanidades, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

MARX, Karl. Manuscrito econômicos-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2001.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac Naify, 2012a.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2012b.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A linguagem indireta e as vozes do silêncio. In: MERLEAU-PONTY, Maurice. Signo. São Paulo: Martins Fontes, 1991a. p. 39-88.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Por toda parte e em parte alguma. In: MERLEAU-PONTY, Maurice. Signo. São Paulo: Martins Fontes, 1991b. p. 137-174.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O sitiante tradicional e a percepção do espaço. In: QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O campesinato brasileiro: ensaios sobre civilização e grupos rústicos no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1976. p. 48-71.

SOUZA SANTOS, Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SOUZA SANTOS, Boaventura de (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004. p. 777-821.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2006.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

CABRAL, C. A.; PASSOS, L. A. Experiências e comunicações fenomenológicas de camponeses e camponesas: aprendizagens constituídas entre território e linguagem. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S. l.], v. 24, p. e022008, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id3967. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/3967. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Demanda