Os nós da sala de aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4001

Palavras-chave:

educação , experiência sensível, sala de aula.

Resumo

O presente artigo - Os nós da sala de aula - reflete sobre as prerrogativas de uma educação aberta à sensibilidade e do encontro entre os sujeitos no ambiente educacional. Por meio da abordagem (auto)biografia, é possível divagar pelas temporalidades do fazer docente/discente, abrindo-se aos lugares narrados e à percepção da não-linearidade experiencial, evidenciadas em sujeitos que aprendem juntos. Revisitar espaços-tempos educativos como lugares de encontros guia-nos à multiplicidade interpretativa e experiencial da sala de aula. A partir de uma apuração teórica e criteriosa, as ideias traçadas detiveram-se à reflexão de uma realidade que se abre infindável entre o racional e o sensível. Desse modo, urge a imagem de uma sala de aula não resumível à mensuração do mundo em racionalidades solitárias, mas aberta à totalidade que nada exclui, em aprendizagens por vias de completude/(in)completude como movimento de busca de nós e do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Sell Duarte Pillotto, Universidade da Região de Joinville - Univille

Pós-Doutora no Instituto Estudos da Criança - IEC na Universidade do MINHO - UMINHO, Braga/Portugal. Doutora em Engenharia de Produção (Gestão da Qualidade) pela Universidade Federal de Santa Catarina; Mestre em Educação (Currículo) pela Universidade Federal do Paraná. Professora titular nos cursos de Artes Visuais e Pedagogia na Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE e no Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Educação.

Antonio Marcio do Amaral, Universidade da Região de Joinville- UNIVILLE

Licenciatura em Filosofia pela Faculdade Padre João Bagozzi; Mestrado em Educação pela Universidade da Região de Joinville. Integrante/pesquisador do Laboratório de Educação, Filosofia e Emancipação da Vida- LEFEMA/UFPR; Pesquisador em Arte na Educação pelo Núcleo de Pesquisa em Arte na Educação Nupae/UNIVILLE.

Ernesto Jacob Keim, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Licenciado em Ciências e Matemática pela Universidade Católica de Petrópolis, Bacharel e Licenciado em Biologia pela Universidade Santa Úrsula, mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e pós-doutor em Filosofia da Educação na Unicamp. Sou pesquisador e professor DE na Universidade Federal do Paraná, lotado no Centro de Estudos do Mar, onde atuo como docente nas licenciaturas em ciências exatas e como docente no programa de Mestrado Profissional em Rede Nacional de Ensino de Ciências Ambientais. 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011. v. 1.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Os sofrimentos do jovem Werther. Porto Alegre: L&PM, 2010.

GOETHE, Johann Wolfgang von. The metamorphosis of plants. Introduction and photography by Gordon L. Miller. Cambridge: The Mitt Press, 2009.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70, 1977.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Lisboa: Edições 70, 2005.

KEIM, Ernesto Jacob. Educação da insurreição: emancipação humana, ontologia e pedagogia em Georg Lukács e Paulo Freire.Jundiaí: Paco Editorial, 2011.

KEIM, Ernesto Jacob. Bloco 5: Temas pontuais e teóricos (extraídos das apresentações blocos 1, 2, 3, 4), Apresentação 5.9: emancipação humana e da vida planetária. Paraná, 2017. Disponível em: http://profjacob.com.br/bloco-5/. Acesso em: 11 set. 2020.

MEIRA, Marly; PILLOTTO, Silvia Sell Duarte. Arte, afeto e educação: a sensibilidade na ação pedagógica. Porto Alegre: Mediação, 2010.

RICOEUR, Paul. Ética e moral. Covilhã: Lusofia, 2011.

RICOEUR, Paul. Teoria da interpretação: o discurso e o excesso de significação. Lisboa: Edições 70, 1976.

ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. 16. ed. São Paulo: Global, 2019.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Paris: Les Éditions Nagel, 1970.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Petrópolis: Vozes. 1943.

SCHAFER, Raymond Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Editora da UNESP, 1991.

SCHAFER, Raymond Murray. The tuning of the world. New York: Knopf, 1977.

SPINOZA, B. de. Ética. Seleção de textos de Marilena Chauí. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

PILLOTTO, S. S. D.; AMARAL, A. M. do; KEIM, E. J. . Os nós da sala de aula. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022010, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4001. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4001. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Educação e Sensibilidade