Conversas infinitas

o cinema em processos formativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22483/2177-5796.2022v24id4844

Palavras-chave:

educação, cinema, formação de professores.

Resumo

O texto abre uma conversa entre um pesquisador e uma pesquisadora interessados nas relações entre o cinema e a educação. Examina os entendimentos que perpassam suas pesquisas e seus atos docentes, suas atenções mais atuais quando se trata de acionar um filme em uma prática pedagógica. O ensaio apresenta um cardápio de referências que move os pensamentos do/a pesquisador/a, a respeito, especificamente, do encontro do cinema com a educação. Diferentes ficções políticas são postas em diálogo, abrindo perspectivas e pontos de partida distintos. Trata-se de um texto-conversa, despretensioso, mas interessado em fomentar reflexões sobre o tempo presente, sobre as potencialidades dos filmes em processos formativos. A conversa passa por questões relativas à autoria, à história do cinema, ao afeto, às dimensões éticas e estéticas da formação, ao tempo presente. Ao fim do ensaio, abrem-se breves comentários sobre alguns filmes assistidos pelos autores durante a pandemia, desejando refletir sobre como este contexto interfere em itinerários de leitura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Belinaso , Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor Associado II da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Alessandra Collaço da Silva , Universidade Federal de Santa Catarina

Sou ​professora e oficineira de cinema há mais de 12 anos. A minha formação atravessa a educação, o cinema, o design gráfico e a pedagogia. Atualmente sou pesquisadora financiada pelo CNPQ, no Doutorado em Educação (UFSC) da linha ECO. 

Referências

ALLY COLLAÇO. Ally Collaço na TV Mostra falando sobre o Coletivo Cinema de Meninas (2020). Florianópolis, 2020. Disponível em: https://www.allycollaco.com/coletivo-cinema-de-meninas.html. Acesso em: 20 jun. 2021.

BELINASO, Leandro. Como escrever com os ruídos do mundo? In: CHAVEZ, Silvia; BRITO, Maria dos Remédios de (org.). Formação, ciência e arte: autobiografia, arte e ciência na docência. São Paulo: Livraria da Física, 2016. p. 89-102.

BERGALA, Alain. A hipótese cinema: pequeno tratado de transmissão do cinema dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: Booklink, Cinead/LISEFE/UFRJ, 2008.

CAFARNAUM. Direção de Nadine Labaki. São Paulo: Sony Pictures Brasil, 2018. (120 min).

CINE KURUMIN. Festival Internacional de Cinema Indígena. 8. ed. Salvador: Espalha Semente, Cinekurumin, 2020. Disponível em: https://cinekurumin.org/. Acesso em: 11 jun. 2021.

O COMEÇO da vida 2: lá fora. Direção de Renata Terra. Pernambuco: Maria Farinha Filmes, 2020. (92 min).

AS CONSEQUÊNCIAS do feminismo (Les résultats du féminisme). Direção de Alice Guy. França: Gaumont Film Company, 1906. (7 min).

CRISPE, Juliana. Cartografias afetivas. Linha Mestra (Associação de Leitura do Brasil), Campinas, v. 27, p. 107-111, 2015.

CRISPE, Juliana. Cartografias afetivas: proposições do professor-artista-cartógrafo-etc. RA'E GA: o Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 30, p. 106-130, 2014. DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v30i0.36087

ERA o hotel Cambridge. Direção de Eliane Caffé. São Paulo: Aurora Filmes, 2016. (93 min).

A FADA dos repolhos (La fée aux choux). Direção de Alice Guy. França: Gaumont Film Company, 1896. (1 min).

HOLANDA, Karla. (org.). Mulheres de cinema. Rio de janeiro: Numa, 2019.

HOMEMADE. Organização de Pablo Larraín. EUA: Netflix, 2020. (126 min).

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020a.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020b.

LENDAS do Lago: Willy e os guardiões do lago (Willy and the Guardians of the Lake). Direção de Zsolt Pálfi. Hungria: Cinemon Entertainment, 2018. (75 min).

A MADAME tem desejos (Madame a des envies). Direção de Alice Guy. França: Gaumont Film Company, 1907. (4 min).

O MENINO e o mundo. Direção e roteiro de Alê Abreu. Brasil, 2015. (80 min).

E A MULHER criou Hollywood (Et la femme créa Hollywood). Direção de Julia Kupenberg e Clara Kupenberg. França: OCS Géants, 2016. (52 min).

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Mas as crianças gostam! Ou sobre gostos e repertórios musicais. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26, 2003. Poços de Caldas. Anais [...]. Poços de Caldas: Anped, 2003.

PARIS, Texas. Direção de Win Wenders. Los Angeles: 20th Century Studios, 1984. (147 min).

PROFISSÃO: repórter. Direção de Michelangelo Antonioni. Itália: Metro-Goldwyn-Mayer, 1975. (126 min).

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EIXO experimental; Editora 34, 2005.

RETRATO de uma jovem em chamas (Portrait de la jeune fille en feu). Direção de Céline Sciamma. França: Supo Mungam Films, 2019. (120 min).

SILVEIRA, Eduardo; GUIMARÃES, Leandro Belinaso. Gambiarras inventivas de ambientes. In: Paula Corrêa Henning; Andresa Mutz; Virgínia Tavares Vieira. (org.). Educações ambientais possíveis: ecos de Michel Foucault para pensar o presente. Curitiba: Editora Appris, 2018.

SILVA, Alessandra Collaço da. Arte, mídia e cinema na escola: um ensinar que (me) ensina!. 2012 Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

SOUL. Direção e roteiro de Pete Docter. Estados Unidos: Walt Disney Studios Motion Pictures, 2020. (101 min).

TURISTA especial (La belle verte). Direção de diretora Coline Serreau. França: Filmes de Alain Sarde, 1996. (99 min).

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

BELINASO , L.; SILVA , A. C. da. Conversas infinitas: o cinema em processos formativos. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, Sorocaba, SP, v. 24, p. e022037, 2022. DOI: 10.22483/2177-5796.2022v24id4844. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/quaestio/article/view/4844. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Práticas pedagógicas cotidianas em currículos com o cinema, suas narrativas, imagens e sons: outros modos de ‘aprenderensinar’