Educação e neoliberasmo no Brasil:

reflexões sobre as implicações na profissão docente

  • Weliton Martins da Silva Universidade Federal de Santa Maria/UFSM - Doutorando em Educação
  • Cassiano Telles Universidade Federal de Santa Maria/UFSM - Doutorando em Educação
  • Luiz Gilberto Kronbauer Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
Palavras-chave: Medidas neoliberais., Medidas Neoliberais. Mercado. Educação. Profissão Docente., Mercado., Educação., Profissão docente.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir que maneira as propostas neoliberais implantadas no Brasil a partir dos anos 1990, tem impactado a Educação brasileira. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com análise baseada na produção bibliográfica relativa ao tema, buscando trazer contribuições significativas para a reflexão da temática. Para melhor compreensão foi necessário pensar o desenvolvimento do capitalismo, suas características; do liberalismo ao Keynesianismo, e a adoção das medidas neoliberais. Concluímos que as estratégias e discursos das políticas públicas educacionais continuam a apresentar a Educação como prioridade. Entretanto, o discurso da valorização da Educação e do professor sobrepõe-se às práticas contraditórias destas políticas, que na verdade, pouco avança no processo de valorização da docência, tornando o professor um produto neste processo e, ainda que, o discurso emane a valorização do professor, o que se percebe é a precarização do trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weliton Martins da Silva, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM - Doutorando em Educação

Mestre em Educação pela UNINCOR – MG; Professor da Rede Estadual de MG e Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria/UFSM-RS

Cassiano Telles, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM - Doutorando em Educação

Licenciado em Educação Física; Especialista em Educação Física Escolar; Mestre em Educação Física e Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria/UFSM

Luiz Gilberto Kronbauer, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutor em Educação pela UFRGS. Professor do Departamento de Fundamentos da Educação da UFSM. Professore Orientador do Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE UFSM, Coordenador do Programa Especial de Formação de Professores para a Educação Profissional. 

Referências

AUGUSTO, Maria Helena Oliveira Gonçalves. As reformas educacionais e o “Choque de Gestão”: a precarização do trabalho docente. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 28., 2005, Caxambu, MG. Anais... Caxambu: ANPEd, 2005. Disponível em: <28reuniao.anped.org.br/textos/gt09/gt09227int. rtf>. Acesso em: 26 jun. 2015.
BOSI, P. A. A precarização do trabalho docente nas instituições de ensino superior do Brasil nesses últimos 25 anos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1503-1523, set./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2015.
BOURDIEU, Pierre. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996.
FIDALGO, S. R.; FARIA, Lidiane Xavier de; MENDES, Eliandra da Costa. Profissionalização docente e relações de trabalho. Revista Extra-Classe, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, ago. 2008.
FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1989.
GAMBOA, Silvio S. (Org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. São Paulo: Cortez, 1995.
GIL, Antônio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2002.
GODOY, Arilda S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995.
MARIN, A. J. Precarização do trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. 1CDROM
MARX, Karl. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. v. 1, parte III, capítulo VII. Disponível em: . Acesso em: 7 dez. 2016.
NOVOA, Antônio. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. In: SOUZA, R. T. D.; SARTI, M. F. (Org.). Mercado de formação docente: constituição, funcionamento e dispositivos. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.
OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.
OLIVEIRA, D. A. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. RBPAE, Goiânia, v. 25, n. 2, p. 197-209, maio/ago. 2009.
SANTOS, O. J. Reestruturação capitalista: educação e escola. Revista Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p. 79-89, jan./jul. 2004.
SANTOS FILHO, João dos. Neoliberalismo: lógica do irracionalismo, ensaio sociológico sobre o neoliberalismo. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, Paraná, v. 1, n. 6, jun. 2001. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.
SAVIANI, D. Demerval Saviani: pesquisador, professor e educador. In: VIDAL, G. D. (Org.) Perfis da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.
SCHULTZ, T. O capital humano: investimento em educação e pesquisa. Rio de Janeiro. Zahar, 1973.
SOUZA, Lisandra Amaral de. O projeto neoliberal de Educação: os reflexos da violência econômica. In: CEMARX - Colóquio Internacional Marx Engels, 5., 2007, Unesp. Anais... Marília: RET, 2007. Disponível em: < http://www.estudosdotrabalho.org/anais6seminariodo trabalho/lisandraamaralsouza.pdf >. Acesso em: 25 jun. 2015.
TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas, 1987.
Publicado
2017-05-11
Como Citar
SILVA, W.; TELLES, C.; KRONBAUER, L. Educação e neoliberasmo no Brasil:. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 19, n. 1, p. 145-159, 11 maio 2017.
Seção
Artigos